Carreiras longas: 15 mil pediram reforma antecipada

Governo aprovou alargamento das reformas antecipadas sem penalização. Novas regras abrangem quem começou a trabalhar aos 16 anos ou antes.

Em dez meses, os serviços da Segurança Social receberam e deram resposta favorável a mais de 15 mil pedidos de reforma antecipada formulados por trabalhadores com carreiras contributivas muito longas. Este número foi ontem avançado pelo governo, dia em que foi aprovado o decreto-lei que alarga o regime que permite a saída antecipada do mercado de trabalho às pessoas que começaram a trabalhar aos 16 ou em idade inferior e que atualmente tenham pelo menos 60 anos.

Daqueles 15 mil, cerca de 11 500 foram aceites pelos pensionistas. A diferença decorre do facto de desde 2016 estar em vigor uma regra que determina que um pedido de pensão apenas se torna efetivo depois de o respetivo beneficiário ser notificado de qual vai ser o valor que passa a receber mensalmente e confirmar a decisão junto do Centro Nacional de Pensões.

Em causa estão pensões atribuídas ao abrigo do regime que entrou em vigor em outubro de 2017 e que permite o acesso à reforma antecipada sem qualquer penalização às pessoas com 48 anos de descontos ou que tenham pelo menos 60 anos, 46 de descontos e começado a carreira contributiva aos 14 ou em idade inferior.

Ontem o governo deu mais um passo no alargamento deste regime, ao aprovar o diploma que passa a permitir a reforma antecipada sem qualquer corte (penalização mensal ou fator de sustentabilidade) aos que reúnam as condições de idade e carreira (60/46 anos), mas tenham iniciado a carreira contributiva aos 16 anos ou antes.

A medida entra em vigor a 1 de outubro, abrangendo as pessoas que naquela data reúnam as condições definidas. De acordo com Cláudia Joaquim, secretária de Estado da Segurança Social, serão entre mil e duas mil as pessoas que integram aquele perfil. O impacto orçamental do decreto-lei agora aprovado oscilará entre os quatro e cinco milhões de euros por ano - num cenário em que todos os potenciais beneficiários adiram.

O diploma abrange os trabalhadores do setor privado e da função pública e vem ainda alargar estas regras aos ex-subscritores da Caixa Geral de Aposentações. Nas regras que ainda vigoram, as pessoas que no passado descontaram para a CGA mas que cessaram funções no Estado e viram a sua condição de subscritor da CGA cessar estavam impedidas de aceder à reforma antecipada, tendo de esperar pela idade legal para se aposentarem - ou seja, tinham de esperar pelos 66 anos e 4 meses. No privado esta limitação não existia e de outubro em diante este tratamento indiferenciado, que Cláudia Joaquim classificou como "injusto", acaba.

O avanço nas reformas antecipadas para carreiras contributivas longas foi aplaudido pelo Bloco de Esquerda e pela CGTP, mas foi considerado insuficiente. Para o deputado bloquista José Soeiro, este diploma apenas conclui a "fase de fazer justiça a quem começou a trabalhar em criança", sendo agora necessário avançar com o resto do regime. Neste contexto, entre as prioridades do BE para o OE 2019 está o fim do fator de sustentabilidade para todos os trabalhadores com 60 anos e 40 de descontos e a definição de uma idade legal de reforma pessoal em função da carreira.

Cláudia Joaquim recusou ontem dar pormenores sobre a concretização de novas fases referindo apenas que "está em negociação".

Já a CGTP considera que o novo passo para as reformas antecipadas é "claramente insuficiente", além de pecar por tardio. "Este decreto-lei, fazendo parte integrante da primeira fase de revisão do regime da antecipação, nada adianta quanto à concretização dos compromissos assumidos pelo governo no sentido de prosseguir este processo de revisão de modo a proteger e valorizar também as carreiras contributivas longas (e não apenas as muito longas)".

A CGTP exige que o regime vá mais além, defendendo a valorização das carreiras contributivas longas, a eliminação do fator de sustentabilidade para todas as pensões relativamente às quais se aplica atualmente e o fim do corte pelo fator de sustentabilidade para as reformas antecipadas motivadas por desemprego de longa duração.

A central sindical liderada por Arménio Carlos reclama ainda que as empresas sejam obrigadas a contribuir para o financiamento das reformas antecipadas quando diminuem o número de trabalhadores no âmbito de reestruturações empresariais.

O que muda com as novas regras

Quem é abrangido?

O decreto-lei aprovado nesta quinta-feira pelo Conselho de Ministros dá mais um passo no alargamento do universo de pessoas com longas carreiras contributivas que podem reformar-se sem cortes. A medida passa a abranger os trabalhadores com idade igual ou superior a 60 anos e com, pelo menos, 46 anos de descontos, que tenham iniciado a carreira contributiva aos 16 anos ou em idade inferior.

Quando entra em vigor?

Estas novas regras entram em vigor a 1 de outubro de 2018 e aplicam-se às pessoas que a partir desta data reúnam as condições (idade e carreira contributiva) exigidas.

Os funcionários públicos também são abrangidos?

Sim. Estas regras aplicam-se também aos funcionários públicos.

E o que acontece aos ex-subscritores da Caixa Geral de Aposentações?

A partir de outubro de 2018, estas regras passam também a abranger os ex-subscritores da Caixa Geral de Aposentações, ou seja, pessoas que no passado descontaram para a CGA mas que por força do fim do exercício de funções na função pública viram a sua condição de subscritor ser cessada. Nas regras atuais, estes ex-subscritores (onde se incluem professores que ficaram entretanto no desemprego) não podiam aceder à aposentação antecipada tendo de aguardar pela idade legal da reforma - que é de 66 anos e 4 meses em 2018. Assim, desde que cumpram as condições exigidas, estas pessoas podem avançar para a reforma antecipada sem penalização.

Para quem cumpre os requisitos, o acesso à reforma antecipada deixa de ter penalizações?

Sim. Este regime abrange especialmente as pessoas com carreiras contributivas muito longas e permite-lhes que se reformem antes da idade legal em vigor sem a penalização mensal de 0,5% e sem fator de sustentabilidade (que neste ano retira 14,5% ao valor das pensões).

Quantas pessoas serão abrangidas?

Os dados da Segurança Social indicam que serão entre mil e duas mil as pessoas que vão chegar a outubro deste ano com pelo menos 60 anos e 46 de carreira contributiva e iniciaram a vida ativa aos 16 ou em idade inferior.

O regime das reformas antecipadas sem penalização vai continuar a ser alargado a mais pessoas?

Tudo indica que sim, já que o tema está em cima da mesa das negociações (da Concertação Social e com os partidos que apoiam o governo). Quando em maio do ano passado o governo começou a negociar com os parceiros sociais, a proposta que colocou em cima da mesa previa que a medida fosse progressivamente estendida a todas as pessoas que aos 60 anos tenham pelo menos 40 anos de carreira contributiva, atribuindo-lhes uma idade "própria" de reforma e eliminando o fator de sustentabilidade. Nas negociações, o governo sinalizou que pretendia que o regime entrasse em vigor em três fases. A segunda destas fases destinava-se às pessoas com 63 ano ou mais que aos 60 tenham 40 de descontos. O calendário para a execução da medida tem registado várias derrapagens.

O regime que foi aprovado em outubro de 2017 mantém-se válido?

Sim. Nessa altura, passou a ser possível a entrada na reforma antecipada sem qualquer penalização a todas as pessoas com 48 anos de descontos e às que, tendo mais de 60 anos, tivessem iniciado a carreira contributiva aos 14 anos ou menos. O diploma hoje aprovado alarga, no fundo, a exigência dos 14 para os 16 anos.

E quem não cumpre estes requisitos pode reformar-se antecipadamente?

Sim, mas são-lhe aplicadas penalizações. Para quem trabalha no setor privado, é possível a reforma antecipada desde que tenha pelo menos 60 anos e 40 de descontos, mas o cálculo ao valor da reforma terá em conta uma penalização de 0,5% por cada mês que falte para atingir os 66 anos e 4 meses (em 2019 a idade legal avançará mais um mês, para os 66 anos e 5 meses). A este corte vai ainda somar-se o fator de sustentabilidade - que todos os anos é agravado em função do aumento da esperança média de vida. Na função pública as penalizações são iguais, podendo a reforma antecipada ser requerida a partir dos 55 anos e 30 de descontos. Os desempregados de longa duração que esgotem o subsídio de desemprego também podem aceder à reforma antecipada, mas também enfrentam penalizações. A grande diferença é que neste caso a idade "legal" da reforma é diferente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.