Premium Coletes amarelos saem amanhã à rua: "Não temos nada para festejar no 25 de abril"

O regresso dos coletes amarelos está agendado para amanhã, no Terreiro do Paço, em Lisboa. A manifestação usa o mote anticorrupção, mas os organizadores - os mesmos do protesto de 21 de dezembro - aproveitam para atacar a geringonça e vincar que estão "de luto por Portugal e pela democracia". A PSP vai acompanhar o protesto.

"Estamos todos unidos, e desta vez vamo-nos concentrar numa única manifestação." Bruno Campos, 32 anos, coordenador comercial no Barreiro, e mentor do grupo Movimento Coletes Amarelos de Portugal, dá início à conversa que um grupo de oito elementos realizou com o DN, via Messenger. São de várias zonas do país e mantiveram sempre contacto desde o falhanço da manifestação de 21 de dezembro de 2018. Também ali estão Diogo Pereira, do Bombarral (pioneiro do movimento em Portugal), Micael Santana Viegas, do Algarve, Luísa Patrão, agente de execução judicial, Luís Pereira, Tiago Soares, de Lisboa, Ana Vieira e Miguel Freitas, todos de Lisboa. Têm flyers preparados para distribuir, apelando à concentração "do povo".

Os panfletos dizem coisas como "de luto por Portugal - eu luto contra a corrupção neste país". E esse parece ser o mote para este novo protesto, embora, aos poucos, o grupo vá avançando com outras "reivindicações específicas". Desde logo não é impune a escolha da data: "o 25 de abril é justamente quando a geringonça vai celebrar os seus não êxitos e é num tom de luto que o Movimento Coletes Amarelos Portugal vai sair à rua, e não em celebração. Porque não temos absolutamente nada a celebrar", diz ao DN Bruno Campos, logo secundado por Luísa Patrão, para quem, amanhã, "não temos mesmo nada para festejar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.