Quatro ministros e o próprio Bolsonaro têm problemas na justiça

Presidente, que também é réu no Supremo, diz confiar nos titulares da Economia, da Casa Civil, da Saúde e da Agricultura. Eventual irregularidade do ministro que é astronauta prescreveu.

Dos 12 ministros já anunciados por Jair Bolsonaro, quatro têm questões pendentes na justiça e um beneficiou da prescrição do seu processo. Os casos vão do astronauta Marcos Pontes, sob suspeita de manter atividade militar e comercial simultânea, ao guru da economia Paulo Guedes, acusado de gestão fraudulenta, passando pelo braço direito para a política, Onyx Lorenzoni, investigado por receber doações não declaradas de uma empresa supostamente beneficiada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina. E o antepenúltimo ministro indicado pelo presidente, o médico ortopedista e deputado Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, também é alvo de inquérito.

Na maioria dos casos, Bolsonaro tem respondido que o critério dele é que quem já for réu e tiver "acusações robustas" contra si deve abandonar o executivo - até lá, confia. O próprio presidente eleito, entretanto, é réu no Supremo Tribunal Federal por injúria e incitamento ao crime, por causa do episódio em que disse a uma deputada que só não a estuprava porque ela não merecia, quando ambos discutiam um caso em que um menor violou e matou dois jovens.

Mandetta, o ministro da Saúde apresentado na terça-feira, é investigado por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e pagamentos não declarados na criação de um sistema de informática em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul onde foi secretário da prefeitura.

As suspeitas das autoridades é que Mandetta, que terá agora um orçamento de à volta de 25 mil milhões de euros para gerir, tenha influenciado a contratação de empresas para aquele serviço informático, que não chegou a ser lançado, em troca de ajudas na campanha eleitoral. A justiça mandou bloquear aproximadamente 3,5 milhões de euros em bens do novo ministro por causa do suposto crime.

"Foram denúncias de um deputado da oposição", justificou-se Mandetta. Bolsonaro desdramatizou: "Isso é de 2009, ele nem é réu ainda, o que nós acertamos foi que qualquer denúncia ou acusação que se torne robusta, a pessoa saia do governo."

Aliada de Mandetta no Mato Grosso de Sul, Tereza Cristina, da Agricultura, além de ter recebido doações de campanha de um fazendeiro acusado de mandar matar um líder indígena, ainda responde a cinco ações em tribunal por acumular perto de 2,2 milhões de euros de dívidas com bancos e fundos de investimento agropecuários, cujo principal credor é a processadora de carnes JBS, informa a revista Piauí.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, entretanto, a JBS, empresa cujos donos foram presos na sequência do caso da gravação ao presidente cessante Michel Temer, arrendou propriedades de Tereza Cristina. Enquanto isso, a companhia gozava de isenções fiscais do governo de Mato Grosso do Sul, do qual a hoje ministra fazia parte como secretária para a área agropecuária.

Os advogados de Tereza Cristina dizem que não há ilegalidade ou imoralidade nos atos. Jair Bolsonaro afirmou "manter a confiança" na titular da Agricultura. "Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela já foi julgada?", reagiu.

Ainda com a JBS como pano de fundo, Onyx Lorenzoni, que na qualidade de ministro da Casa Civil coordena a área política do governo, é acusado de receber duas doações de campanha não registadas, e por isso ilegais, da multinacional liderada por Joesley e Wesley Batista. A primeira, de cerca de 22 mil euros, fora admitida pelo próprio deputado ainda antes da campanha eleitoral, já a segunda, da mesma quantia, só foi conhecida após investigação da Folha, jornal de maior circulação no país a quem Bolsonaro pediu boicote.

"Queremos uma trégua", respondeu Onyx, "todo o dia tem alguém batendo num governo que não teve paz ainda para se organizar". "Parece até que a Folha de S. Paulo deseja a terceira volta das eleições", completou.

A propósito, Bolsonaro foi menos enfático na defesa do colega do que de Mandetta ou de Tereza Cristina. "Confiar a 100%? A 100% só confio na minha mãe e no meu pai."

O titular do superministério da Economia, Paulo Guedes, é investigado pelo Ministério Público federal por "indícios relevantes" de crimes de gestão temerária ou fraudulenta de fundos, numa operação chamada Greenfield. O guru financeiro de Bolsonaro recebeu o equivalente a 2,2 milhões de euros de fundos estatais, num negócio agora sob análise da justiça.

A defesa de Guedes nega "conduta antiética ou irregular". O presidente eleito não se manifestou.

"Garoto-propaganda", ou seja, rosto de uma campanha publicitária de almofadas da NASA e de outros produtos de merchandising, o ministro da Ciência, tenente-coronel na reserva e astronauta Marcos Pontes, foi alvo de uma investigação do Ministério Público Militar, em 2006, para apurar se havia violado o código da instituição que proíbe quem ainda está no ativo de manter interesses comerciais.

Conta investigação da edição brasileira do jornal The Intercept que Pontes negou, à época, qualquer ligação à empresa através da qual fazia publicidade, a Portally Eventos e Produções, empresa registada em nome de uma assessora de imprensa dele. Uma vez prescrita a investigação, em 2017 Pontes tornou-se sócio maioritário da empresa, com 80% da participação.

A assessoria do ministro disse que Pontes "está na reserva", logo a sua conduta "foi sempre dentro da lei". Bolsonaro não comentou.

Entretanto, nas últimas horas, Gustavo Bebianno, um dos coordenadores de campanha, e o advogado André Mendonça foram confirmados em dois cargos com estatuto de ministério, a Secretaria-Geral da Presidência e a Advocaci-Geral da União.

Os ministros sem pendências judiciais são os generais Augusto Heleno (Segurança Institucional) e Fernando Azevedo (Defesa), o ex-juiz Sergio Moro (Justiça) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), o único ministro, até agora, que transita da gestão de Temer.

Em São Paulo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG