Premium "Bolsonaro tem o apoio dos líderes evangélicos mas está a perdê-lo nas bases"

Christina Vital da Cunha acompanha há uma década o trabalho de frentes religiosas no Congresso do Brasil. Em entrevista ao DN, a professora de Sociologia, da Universidade Federal Fluminense, comenta a promessa de Jair Bolsonaro no sentido de nomear "um juiz do Supremo terrivelmente evangélico".

Para a professora associada do departamento de Sociologia da Universidade Federal Fluminense e editora da Revista Religião & Sociedade, Christina Vital da Cunha, o presidente usa os bispos e os deputados do Congresso Nacional para chegar ao povo evangélico, mas não o conquistará se não entregar o que prometeu em campanha: emprego e segurança.

Em entrevista ao DN, em 2016, disse que o próximo passo de aproximação ao poder dos evangélicos poderia ser pelo poder judicial. O presidente JairBolsonaro fala em nomear "um juiz do Supremo terrivelmente evangélico". Chegou a hora da ofensiva sobre esse poder?
Desde o início da década que estamos a acompanhar o trabalho de frentes religiosas no Congresso Nacional. Eleição após eleição, a gramática pentecostal e carismática vem assumindo força. Em 2014, tivemos a primeira candidatura confessional evangélica para a presidência da República. Naquela ocasião, fizemos entrevistas, inclusivamente com o então candidato pastor Everaldo. Após uma pergunta baseada em observações que vínhamos realizando, ele verbalizou a importância dessa aproximação dos evangélicos ao Supremo Tribunal Federal [STF]. Qual é o problema disso? É claro que os juízes, todos eles, podem ter religião ou ser ateus, a questão é que não se pode pensar em cargos públicos para atendimento de interesses sectários, de um grupo económico, religioso ou qualquer outro. Em sentido amplo, os juízes são funcionários públicos. Não são empregados privados que estão lá para atender aos interesses exclusivos de uma companhia. Os deputados, por exemplo, podem representar as suas bases políticas, mas como funcionários públicos devem manter o interesse público e não de um segmento em detrimento do bem público, do direito de todos. É este o ponto que a confusão pública se esquece de ressaltar. A declaração sobre um juiz no STF que fosse "terrivelmente evangélico" é estratégica. Visa agradar aos líderes evangélicos no Congresso Nacional e às suas bases no Brasil, que são crescentes. Devemos entender isso como um aceno a uma base social e política, que não significa necessariamente o fomento à religião seja no executivo seja no judicial. A religião é um detalhe que visa movimentar as emoções das pessoas. A questão é que estamos a acompanhar estratégias de ampliação e manutenção do poder. Não de um projeto de Brasil que seja religioso, como se a defesa da fé fosse o ponto central. Nem de um projeto conservador. Não. Observadas minuciosamente as ações políticas do executivo até agora, podemos dizer que elas se dão em torno da garantia do poder que vem sendo exercido em termos patrimonialistas e nepotistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.