Portugueses nunca consumiram tanto e pouparam tão pouco

Famílias só poupam 4% do que ganham e o resto, 96%, vai para consumo. Os números do INE confirmam as preocupações do Banco de Portugal, que considera que as famílias estão vulneráveis a choques que afetem o seu rendimento.

A parte do rendimento disponível das famílias que vai para despesas de consumo atingiu neste ano, no terceiro trimestre, o segundo maior valor de que há registo, desde a adesão ao euro: 96%. Mais elevado só no mesmo trimestre do ano passado (96,1%). Em contrapartida, essas mesmas famílias só conseguiram ou decidiram poupar 4% do seu rendimento, o valor mais baixo dos registos oficiais que remontam a 1999.

Os dados que servem de base a estes cálculos foram ontem publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). São sinais preocupantes de "fragilidade" da economia, alertou já o Banco de Portugal no relatório sobre a estabilidade financeira apresentado neste mês. Sem poupança, não há investimento, nem almofadas de riqueza que permitam resistir a choques no futuro.

info dn

Este peso muito elevado do consumo no orçamento das famílias acontece num ambiente de inflação baixa, de níveis quase explosivos no crédito ao consumo e de taxas de juro zero ou quase zero nos depósitos, que acabam por desmobilizar os clientes face a esses produtos bancários mais tradicionais.

De acordo com o INE, a taxa de poupança das famílias portuguesas bateu um novo mínimo de 4% do seu rendimento disponível no final do terceiro trimestre (no ano terminado neste trimestre, para ser mais preciso).

De acordo com as contas nacionais por setores da economia, a taxa de poupança das famílias diminuiu porque o ritmo do consumo continua a superar o ritmo dos rendimentos (salários, participações em lucros e outros).

Essa mesma taxa tinha sido de 4,5% no segundo trimestre, o que já por si é um valor bastante baixo. O valor mais alto reportado pelo INE foi de 12% em meados de 2002, o primeiro ano em que as notas e moedas de euro começaram a circular.

Assim, as famílias ficam "mais vulneráveis"

A degradação da poupança é um problema considerado grave e estrutural na economia portuguesa. A taxa de poupança está em declínio. O INE reitera que isso é "resultado do aumento do rendimento disponível inferior ao da despesa de consumo final".

"A taxa de poupança das famílias mede a parte do rendimento disponível que não é utilizado em consumo final, sendo calculada através do rácio entre a poupança bruta e o rendimento disponível (inclui ajustamento pela variação da participação líquida das famílias nos fundos de pensões)".

Há vários fatores que explicam o protagonismo máximo do consumo privado. É verdade que as famílias estão a poupar cada vez menos, mas também é um facto de que há uma compressão no rendimento disponível. Por exemplo, as remunerações estão a crescer pouco e os impostos diretos estão a acelerar, mantendo o seu peso no total do rendimento disponível, perto de 11%.

Se a base do rendimento disponível tende a estabilizar ou a crescer pouco, é normal que o consumo sobressaia.

Impostos comem rendimento

O INE explica ainda que "o aumento menos acentuado do rendimento disponível das famílias foi determinado pelo crescimento de 3,3% dos impostos sobre o rendimento no 3.º trimestre de 2018 (diminuição de 1,3% no trimestre anterior)".

O mesmo estudo refere que esse aumento do rendimento disponível foi de apenas 0,3% no 3.º trimestre de 2018. O contributo das remunerações ficou-se pelos 0,7 pontos percentuais, ao passo que o excedente bruto de exploração (uma medida próxima dos lucros) ajudou apenas com 0,1 pontos.

O INE nota ainda que os impostos pagos pelas famílias "sofreram algumas perturbações no perfil trimestral nos dois últimos anos devido, em grande medida, às diferentes cadências dos reembolsos do IRS, afetando em particular a evolução entre o 2.º e o 3.º trimestres de cada ano".

Em contrapartida, para piorar as coisas, o ritmo dos rendimentos recebidos manteve-se relativamente baixo. No terceiro trimestre, "as remunerações recebidas registaram um acréscimo idêntico ao do trimestre anterior (1,1%)".

Choques via pensões e desemprego

"A baixa taxa de poupança das famílias portuguesas indicia que choques que afetem o esforço financeiro associado ao serviço da dívida, quer por via de redução do rendimento quer por via do aumento do custo de financiamento, tenderão a repercutir-se numa redução do consumo ou num aumento do incumprimento, com potenciais implicações para o crescimento económico e/ou para estabilidade financeira", avisa o Banco de Portugal.

A redução da taxa de poupança observada no decorrer deste ano "terá acentuado esta fragilidade" e "torna as famílias especialmente vulneráveis a choques que afetem o seu rendimento (como sejam a reforma, o desemprego ou um aumento das taxas de juro)", acrescenta a instituição governada por Carlos Costa.

O Banco também chamou à atenção para os níveis "elevados" de crescimento na gama de consumo duradouro, "em particular a componente de automóveis", e disse que "o dinamismo do consumo privado ocorre num contexto de níveis de confiança elevados, de aumento continuado do rendimento disponível das famílias e de crescimento acentuado do crédito ao consumo".

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.