Para que o mal triunfe,

a única coisa necessária é que os bons nada façam, disse Burke. É bonito e duro. Mas falso. Se vês o mal chegar e nada fazes para o impedir não podes ser bom.

A notícia é de dia 17: Bolsonaro visitou Orani Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro, assinando com ele um "compromisso formal" contra "o aborto, a educação sexual e a legalização das drogas e em defesa da família e da liberdade religiosa". O candidato, que foi fotografado e filmado com o prelado católico, resumiu assim o conteúdo do documento: "É o compromisso que está no coração de todo o brasileiro de bem."

A maioria dos jornalistas não conseguiu assistir ao encontro; ficou no andar de baixo da arquidiocese, à espera. Enquanto esperavam, lê-se nas notícias, "funcionárias da arquidiocese vestidas com camisas amarelas posavam para fotógrafos fazendo sinais de armas de fogo com os dedos das mãos diante de uma imagem de Jesus Cristo." Há imagens.

Pode, claro, olhar-se para isto e perguntar que podia o arcebispo fazer. Dizer que não recebia o homem que está à frente nas sondagens para a segunda volta das presidenciais, a 28 de outubro? Recusar o documento, alegando que não quer compromissos escritos de suposto respeito pela vida e reivindicações de "vir do bem" da mão de um homem que defende que o erro da ditadura foi matar pouco, que passa a vida a incitar à violência contra os oponentes, e que já anunciou que não aceita a existência de um centímetro de reserva indígena e ecológica, condenando assim à extinção os povos índios e o ecossistema da Amazónia?

Seria uma posição difícil de tomar, decerto, a de afrontar o favorito na corrida à presidência, mais a mais num país no qual a igreja católica está em minoria face às evangélicas - que já declararam o apoio ao candidato do viva la muerte. Mas talvez seja de recordar que há dois meses o chefe do arcebispo - o papa Francisco - anunciou que o catecismo da sua igreja passava a considerar a pena de morte inadmissível (até agora admitia-a, apesar de condenar em absoluto o aborto) mesmo para os mais terríveis crimes, porque, diz, a dignidade humana "está acima de tudo". E que em 2015 assinou aquela que ficou conhecida como "a encíclica verde", a Laudato Si (Louvado Sejas). Nesta, defende que a terra não é da humanidade para fazer com ela o que lhe apetece, defendendo "um cuidado particular, pela sua enorme importância para o ecossistema mundial", com lugares como a Amazónia, descrevendo-a como "pulmão do planeta repleto de biodiversidade".

A 11 dias da votação no Brasil, a igreja católica escolheu trocar a proibição do aborto e da educação sexual nas escolas pelo elogio da tortura e da morte à solta. Não é sequer o silêncio que, bem diz Francisco, "mata": é dar a bênção ao mal.

Já neste ano, em visita ao Peru, em janeiro, o papa anunciou a convocação de um sínodo (encontro de bispos) para a Amazónia e, num encontro com representantes dos "povos indígenas", falou da região como "terra santa" que além de "reserva de biodiversidade" é também "uma reserva cultural que deve ser preservada". Manifestando preocupação com as ameaças a estes grupos, disse: "Assusta o silêncio, porque mata."

E no entanto eis que o papa não considerou adequado, até agora, dizer o que quer que seja sobre as intenções declaradas do candidato Bolsonaro, nem o seu representante brasileiro, o arcebispo Tempesta, dar qualquer sinal de reprovação face às mesmas. O silêncio mata, mas pelos vistos às vezes - muitas vezes, na história desta instituição que tanto gosta de se proclamar "milenar" - o silêncio, quando não a mais ativa colaboração com os torcionários, é mais conveniente.

Virão os defensores de Francisco e da igreja católica dizer que se e quando o pior ocorrer o papa "não se calará". Admito que sim, que se os índios que restam na floresta amazónica brasileira forem massacrados e se o sangue correr nas ruas do Brasil, como Bolsonaro preconiza, o papa torcerá as mãos e chorará. Mas, seguindo os seus próprios ensinamentos, deverá antes perguntar-se: "Onde está o teu irmão? Que fizeste para o salvar? Onde estavas quando ele precisou de ti?"

Não sei que eficácia teria, no sentido do voto, uma posição do papa ou dos bispos brasileiros em relação ao que Bolsonaro defende e representa. Mas, a 11 dias da votação, a igreja católica, dirigida pelo primeiro papa sul-americano da história, um papa que na Argentina natal conheceu uma ditadura militar como a que Bolsonaro exalta, escolheu ficar na foto com o torcionário.

Escolheu prestar-lhe tacitamente o seu apoio ao aceitar as suas promessas; escolheu trocar, à vista de todos, a proibição do aborto e da educação sexual nas escolas pelo elogio da tortura e da morte à solta. Não; não se trata sequer do silêncio que, bem diz Francisco, "mata": isto é dar a bênção ao mal. Depois, daqui uns séculos - se alguém restar daqui a uns séculos - hão de pedir perdão.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.