Da China à Itália, o inimigo é comum, mas as estratégias são diferentes

Há países mais preocupados em esconder o números de vítimas do que em combater o covid-19, outros testam teorias imunológicas na população. O exemplo chinês parece ser o mais bem-sucedido em conter o avanço do vírus.

A navegar em águas desconhecidas, os países e organizações não sabem qual a melhor forma de combater o novo coronavírus, para o qual ainda não há tratamento nem vacina. Apesar de uma ou outra notícia nesse sentido, não é de esperar uma resposta dos investigadores e da indústria nos próximos meses, pelo que o combate à doença pode ser feito de duas formas, com nuances. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) foi mudando o discurso. Há um mês, mostrava-se contra as restrições de viagens, bem como desconfiava de medidas globais. A abordagem chinesa é a mais prometedora. Semanas depois de um estrito confinamento em Wuhan, onde o vírus se manifestou, o pior parece já ter passado. E é nesse sentido que, com maior ou menor rigidez, os países mais afetados estão a seguir. A outra abordagem é a da imunidade de grupo e foi seguida pelo Reino Unido e pelos Países Baixos. Advoga que não é viável parar a economia e que a maioria das pessoas acabarão por ser infetadas, o que desenvolve defesas para a generalidade da população.

China

Está ainda por determinar a origem do SARS-CoV-2, mas não parece haver dúvidas de que se manifestou em primeiro lugar em Wuhan, a capital da província de Hubei. Uma investigação do South China Morning Post, de Hong Kong, dá conta de que o primeiro caso da doença foi identificado em 17 de novembro. A China só informou a OMS de uma "nova doença misteriosa" no dia 31 de dezembro. Durante esse período as autoridades perseguiram os médicos que tentaram alertar para o caso, uma janela temporal que permitiu a disseminação do vírus. Pequim reagiu tarde, mas em força. Depois de se saber que havia casos noutras províncias, no dia 23 de janeiro foi decretado o isolamento da cidade e da província. Bloqueio de estradas, controlos policiais e sanitários e suspensão de transportes foram medidas complementadas com o encerramento ao nível dos bairros. Por outro lado, enviou 30 mil profissionais de saúde e construiu dois hospitais para a região. Resultado: o número de mortes tem caído e não foram registados novos casos durante dois dias seguidos.

Coreia do Sul

Em 2015, um coreano regressado do Médio Oriente com o coronavírus MERS levou a um surto que atingiu 186 pessoas, das quais morreram 36. As autoridades de saúde não trataram o problema da melhor forma, uma vez que o vírus se espalhou no primeiro hospital e depois entre hospitais. A lição foi aprendida. Dias depois de a China ter tomado medidas draconianas, e com quatro casos registados, o governo sul-coreano reuniu representantes de farmacêuticas e desafiou-os a criarem testes. Uma semana depois, já havia um aprovado e menos de um mês depois a Coreia foi o primeiro país a testar cidadãos dentro dos automóveis - e é hoje o país com mais análises realizadas, cerca de 300 mil. Esta resposta rápida, dizem os especialistas, permite rastrear, testar e tratar o maior número de pessoas na fase de alastramento do vírus. Em consequência, o número de novos casos diários, que atingiu um pico de 900, está agora na casa da centena.

Irão

A forma como a República Islâmica reagiu ao novo coronavírus está sintetizada num título do The New York Times: "Orgulho, paranoia, secretismo e caos." Num primeiro momento, o regime menosprezou o perigo e mostrou-se disposto a exportar máscaras para a China. Mas, quando o vice-ministro da Saúde apareceu doente numa conferência de imprensa, já era tarde: dezenas de altos funcionários estavam infetados e um conselheiro do guia supremo, Ali Khamenei, morreu. Aos médicos e enfermeiros foi imposto o silêncio sob pena de porem em "perigo a segurança nacional". Sem resposta atempada nem meios sanitários para combater a epidemia, o Ministério das Informações e da Segurança e os todo-poderosos Guardas da Revolução tomaram as rédeas. Propaganda de um lado (pelo que o número de 1400 mortos é encarado com ceticismo) e repressão do outro: uma milícia de 300 mil pessoas está agora encarregada de bater porta a porta e verificar o estado de saúde dos habitantes.

Estados Unidos

O primeiro caso de covid-19 foi detetado no mesmo dia nos EUA e na Coreia do Sul. Sharon Lewis, diretora do Instituto Peter Doherty sobre Infecções e Imunidade, na Austrália, afirmou-se "surpreendida" com a resposta norte-americana, tendo em conta que o Centro de Controlo de Doenças é o "guru de todas as respostas de saúde pública". Aquele organismo falhou na elaboração do primeiro teste e perderam-se semanas, enquanto ao nível político Donald Trump passou tempo igual com declarações contraditórias e falsas. Com o agravamento da epidemia e os mercados financeiros em pânico, Washington, por fim, tornou os testes gratuitos e alocou meios militares para tratamento. Ao nível estadual, a Califórnia e Nova Iorque anunciaram quarentena na sexta-feira.

África do Sul

É nos extremos de África que se encontram mais casos detetados de covid-19, Egito e África do Sul, num continente até agora pouco fustigado, com menos de mil casos - apesar de já estar presente em mais de 30 dos 54 países. Segundo a UNICEF, 63% da população urbana da África subsariana não tem acesso à lavagem de mãos, um dado alarmante. "O melhor conselho para África é que se preparem para o pior", advertiu na quinta-feira o diretor-geral da OMS, o etíope Tedros Ghebreyesus. O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, adiantou-se ao aviso. No fim de semana, já tinha declarado desastre nacional: ordenou o fecho de escolas, suspendeu eventos desportivos e culturais e proibiu a entrada de viajantes de países afetados. Mas também agiu no combate à desinformação: quem publicar notícias falsas sobre o tema arrisca seis meses de prisão.

Rússia

Se a atitude das autoridades do Irão faz que se suspeite dos números de infetados e de mortos, o mesmo se aplica a outros países, caso da Rússia. Segundo os dados de Moscovo, o número de infetados com covid-19 estava na sexta-feira na casa das duas centenas, mas o número de pessoas com pneumonia aumentou bastante. "O governo está a mentir-nos descaradamente", diz a líder do sindicato Aliança dos Médicos, Anastasia Vasilyeva. É certo que o Kremlin tomou medidas a tempo: no final de janeiro, a Rússia fechou as suas fronteiras com a China, proibiu a entrada da maioria dos chineses e mais recentemente a todos os estrangeiros. As escolas fecharam na sexta-feira por três semanas e Vladimir Putin disse que a situação está "genericamente sob controlo". Mas os russos desconfiam das autoridades. Em São Petersburgo e em Moscovo houve uma grande afluência aos supermercados e quem tem uma dacha (casa de campo) saiu da cidade. Talvez para seguir o conselho do presidente da vizinha Bielorrússia, Alexander Lukashenko: "O trator cura toda a gente."

Reino Unido

O governo de Boris Johnson seguiu as recomendações do seu principal conselheiro científico e adotou a tática da imunidade de grupo. A teoria é de que 60% da população fique infetada para depois se conseguir gerar imunidade, tal como as crianças quando são vacinadas. Um plano arriscado, seguido também pelos Países Baixos, uma vez que não se sabe as consequências em termos de mortalidade. Pressionado, o primeiro-ministro começou por proibir eventos com multidões e na sexta-feira foi anunciado o encerramento das escolas.

Espanha

Há uma semana, o primeiro-ministro Pedro Sánchez anunciou as medidas drásticas para tentar conter a disseminação do vírus: os cidadãos ficaram proibidos de andar nas ruas exceto para ir trabalhar, comprar víveres e medicamentos ou procurar assistência médica. A polícia passou a mensagem nas ruas de Madrid, a cidade mais afetada, perseguindo até quem se aventurasse a correr. Na segunda-feira, Espanha fechou as fronteiras. Mas para já, o país vizinho é um dos mais afetados em casos e mortes e continua a curva ascendente. Na sexta-feira, o governo deu ordem de encerramento a todos os estabelecimentos hoteleiros e similares. Até para, em caso de necessidade, passarem a receber doentes, como já acontece na capital, porque os hospitais não têm camas suficientes.

Alemanha

O caso alemão tem levado a muitas interrogações, devido à quantidade relativamente baixa de mortes: na sexta-feira, com 19 mil infetados, havia 53 mortos e duas pessoas em estado grave, ao passo que em Espanha, com 20 500 doentes, já havia mais de mil mortos e 900 pessoas em estado crítico. Os especialistas dizem que se deve em parte ao facto de os primeiros a ficarem doentes serem turistas de estâncias alpinas, pessoas entre os 20 e 50 anos e geralmente saudáveis, pelo que o impacto do covid-19 só vai sentir-se quando avançar para outros grupos. Entretanto, as autoridades dizem ter agora capacidade para fazer até 160 mil testes por semana e confiam que as 25 mil camas com ventiladores cheguem para as necessidades, enquanto se produzem mais equipamentos par enfrentar o "maior desafio desde a II Guerra Mundial", como disse Angela Merkel.

Itália

É, de longe, o país com mais mortos (mais de 4000), mais novos casos diários (6000), e mais pessoas a inspirar cuidados (2600). Um desastre ainda na curva ascendente. O primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou que a medida de encerramento de todo o comércio, exceto mercearias e farmácias, vai ser renovada, tal como a suspensão das atividades escolares irá para lá da primeira data prevista, 3 de abril. Num dos países mais envelhecidos do mundo e onde o contacto social está arreigado na sua cultura, o governo teve de impor multas de 200 euros a quem desrespeitar as regras de confinamento (medida similar adotada por França). Conte disse que não espera tomar medidas mais drásticas num país em que camiões do Exército distribuem caixões e os funerais têm de ter intervalos de 30 minutos por razões sanitárias. "Mas se as nossas proibições não forem respeitadas teremos de agir", advertiu o chefe do governo. Nos hospitais sobrecarregados (e com um quinto da capacidade da Alemanha para receber doentes em estado grave), os médicos falam de campo de batalha e há muito alertaram os colegas dos outros países para o que virão a enfrentar.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG