O Sevilha é um papa-títulos mas o Inter quer quebrar jejum de 10 anos

Espanhóis e italianos decidem nesta sexta-feira a final da Liga Europa em Colónia, na Alemanha. Sevilha venceu cinco edições da prova só neste milénio e Inter quer voltar a festejar dez anos depois da era Mourinho.

Se a tradição tivesse algum peso no futebol, o Sevilha podia ser declarado antecipadamente o vencedor da edição 2019-20 da Liga Europa, cuja final se realiza nesta sexta-feira em Colónia (Alemanha) e colocará frente a frente o emblema espanhol e os italianos do Inter Milão (20.00, na SIC). Um jogo decisivo que, devido ao contexto de pandemia, será realizado sem público nas bancadas.

A Taça UEFA/Liga Europa já foi conquistada por 28 equipas diferentes - e 13 venceram o troféu duas ou mais vezes. Mas o Sevilha é precisamente o clube com mais taças no museu, com um total de cinco títulos. E com a particularidade de ter ganho todas as finais que disputou, três delas em anos consecutivos, entre 2013 e 2016, e todas já neste milénio.

O Inter Milão está também no pódio dos clubes com mais troféus conquistados nesta prova, um total de três (os mesmas que Juventus, Liverpool e At. Madrid), em 1990-91, 1993-94 e 1997-98. Foi ainda finalista vencido na edição de 1996-97 e está em jejum na Europa há precisamente dez anos.

O último título europeu dos italianos, neste caso a Liga dos Campeões, foi assegurado em maio de 2010, quando a equipa então orientada por José Mourinho venceu na final da competição milionária o Bayern Munique, por 2-0, com dois golos de Milito. Ou seja, os nerazzurri vão tentar nesta sexta-feira colocar um ponto final num jejum europeu que dura há dez anos.

O Sevilha está há 20 jogos sem perder em todas as competições, tendo vencido oito dos últimos nove desafios e chega em boa forma a esta final. Os espanhóis impressionaram no triunfo sobre a AS Roma de Paulo Fonseca, tendo depois mostrado paciência e determinação para eliminar o Wolverhampton e o Manchester United. A experiência que têm nesta competição é um trunfo suplementar.

O Inter Milão é um adversário de respeito, uma equipa mais habituada a estar presente na Champions, que assenta a sua principal força numa defesa muito sólida (um golo sofrido nos últimos sete jogos), e que conta no ataque com o internacional belga Romelu Lukaku, que marca há dez jogos consecutivos na Liga Europa, e ainda com Lautaro Martínez, o carrasco do Shakhtar Donetsk nas meias-finais. Juntos, Lukaku e Lautaro somam 54 golos. Caso marque um golo na final desta sexta-feira, o belga iguala o registo de Ronaldo Fenómeno na sua primeira temporada no Inter, com um total de 34 golos numa só época.

Treinadores procuram primeiro título europeu

No banco vão estar dois treinadores com estilos diferentes e que procuram ambos o primeiro troféu numa competição de clubes da UEFA. Curiosamente, em 2014, o caminho de Antonio Conte numa final com o Sevilha esteve prestes a concretizar-se. Mas, na altura, a Juventus, o clube que treinava à data, foi eliminado pelo Benfica nas meias-finais, que por sua vez viria a perder a final para o Sevilha.

Conte, um dos responsáveis pelo renascimento da Juventus no início da última década, com três títulos de campeão consecutivos, e também campeão inglês como técnico do Chelsea, tem no seu palmarés uma Taça UEFA (1992) e uma Liga dos Campeões (1995). Mas ambas conquistadas como jogador. Nesta sexta-feira, terá a oportunidade de orientar do banco a sua primeira final europeia, tal como Julen Lopetegui, ex-treinador do FC Porto que está desde o início da época no Sevilha.

Lopetegui dispõe a equipa num 4X3X3, que rapidamente se pode transformar num 4X5X1 quando não tem a posse de bola. O treinador gosta que todos joguem com grande intensidade, a pressionar alto no campo logo quando o adversário começa a construir lances na defesa. Nas saídas para o ataque o destaque vai para os laterais Jesús Navas e Reguilón. Éver Banega é o maestro no meio-campo.

No Inter Milão, Antonio Conte não gosta muito de mexer na equipa e apresentou o mesmo onze nos últimos três jogos. O técnico italiano utiliza o esquema tático 3X5X2, com dois homens no ataque e com dois médios dinâmicos, que jogam à frente de um médio mais defensivo (Brozovic) e dois laterais ofensivos. As jogadas de ataque constroem-se a partir da defesa, atraindo a pressão dos adversários e depois procurando os dois avançados - especialmente Lukaku - com passes longos para o ataque.

"Como jogador disputei muitas finais, ganhei e perdi. As pessoas só se lembram de ti se ganhas. Ganhei uma Champions, mas perdi três finais, o que fica para a história são as que ganhas", disse Antonio Conte na conferência de imprensa de lançamento do jogo.

"Temos de ter entusiasmo e aproveitar a experiência que nos deu esta caminhada europeia. Estamos orgulhosos por voltar a alcançar uma final europeia passados dez anos, mas tem de se saber que a história é escrita pelo vencedor. Temos de mostrar que merecemos ganhar, contra uma equipa difícil e com muita experiência na competição", acrescentou o técnico italiano.

"O Inter é uma equipa completa, como todas as equipas treinadas por Conte. Vamos ter de ser perfeitos em todos os aspetos. Vamos ter de mostrar a nossa melhor versão e dar um pouco mais porque o rival é o Inter Milão", referiu por sua vez Julen Lopetegui na conferência de antevisão da partida.

"Temos de mostrar sempre a mesma humildade e respeito, independentemente do nome do adversário. Temos de estar concentrados defensivamente e no ataque, e sobretudo estar preparados para as dificuldades que o Inter nos vai causar. Eles têm jogadores de nível mundial. O nosso objetivo é chegar bem física e mentalmente e vencer o jogo", concluiu.

Eis as equipas prováveis:

Sevilha: Bounou; Navas, Koundé, Diego Carlos, Reguilón; Banega, Fernando, Jordán; Suso, En-Nesyri e Ocampos.

Inter Milão: Handanovic; Godín, De Vrij, Bastoni; D'Ambrosio, Barella, Brozovic, Gagliardini, Young; Martínez e Lukaku.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG