FMI alerta para risco de bolhas imobiliárias em Portugal

Há zonas que preocupam. "Por exemplo, Luxemburgo, algumas cidades alemãs, algumas áreas em Portugal e na Holanda", enumera o fundo.

Em menos de um mês, dois avisos sérios. Há sinais de que estão a acumular-se "desequilíbrios" relevantes em "algumas áreas" do mercado imobiliário em Portugal, alertou ontem o Fundo Monetário Internacional (FMI). Há pouco mais de um mês tinha sido o Banco de Portugal (BdP) a dizer que "na segunda metade de 2017 começaram a existir sinais de alguma sobrevalorização dos preços" das casas.

Na avaliação anual à zona euro (Artigo IV), ontem divulgada, o FMI repara que "existem vulnerabilidades financeiras que podem estar a emergir em determinadas bolsas", em certas regiões. "Há sítios - por exemplo, Luxemburgo, algumas cidades alemãs, algumas áreas em Portugal e na Holanda - onde os desequilíbrios entre a procura e a oferta estão a levar a uma forte valorização do imobiliário residencial [habitação] ou comercial", alerta o fundo dirigido por Christine Lagarde.

Sem se alongar muito mais sobre o tema, o FMI chama a atenção para o facto de este problema latente ser tanto mais ameaçador quanto maior for o endividamento privado. É que num contexto de subida das taxas de juro, como já se perfila no horizonte (no final do ano isso já poderá estar a ser sentido), estes desequilíbrios podem conduzir a ruturas. O valor do imobiliário pode cair e os juros sobem, deixando em apuros os devedores de empréstimos.

A missão do FMI que esteve em Portugal na segunda quinzena de maio deixou recados bastante concretos relativamente ao problema. O país precisa de crescer e muito para conseguir reduzir "as vulnerabilidades decorrentes do elevado endividamento público e privado".

Disse também que "o aumento do preço das casas deve continuar a ser monitorizado, tendo em conta a importância [o peso] das hipotecas nos balanços dos bancos".

Em dezembro, o Banco de Portugal dizia que não via sinais preocupantes de que isto estivesse a acontecer, mas, com os novos dados que lhe foram chegando, mudou de opinião.

No início de junho, avisou que "na segunda metade de 2017 começaram a existir sinais de alguma sobrevalorização dos preços do mercado imobiliário residencial em Portugal".

Essa sobrevalorização era ainda "ligeira" em termos agregados, mas olhando para partes do mercado o fenómeno já levanta algumas preocupações.

"Ainda que as indicações de sobrevalorização dos preços no mercado imobiliário residencial em termos agregados sejam muito limitadas, a duração e o ritmo de crescimento dos preços neste mercado (aumentos de 32% e de 27% em termos nominais e reais, respetivamente, desde o segundo trimestre de 2013) podem implicar riscos para a estabilidade financeira, em caso de persistência destas dinâmicas.

Referiu ainda que o fenómeno de ebulição em alguns segmentos do mercado de habitação estará a refletir "o forte aumento do turismo e da procura por parte de não residentes" que procuram esses ativos de maior rendibilidade em alternativa a depósitos ou outras aplicações menos interessantes em termos de remuneração.

No entanto, tudo isto acontece quando a zona euro está, supostamente, prestes a infletir o rumo das suas taxas de juro, hoje coladas a zero.

FMI pede prudência ao BCE na subida de juros

Ontem, o FMI mostrou preocupação relativamente a esse futuro próximo e recomendou a Frankfurt que não se precipite.

O BCE deseja acabar com o programa de compra de dívida e outros ativos no final deste ano e gostaria de começar a subir juros depois do verão de 2019, sinalizou já o presidente da autoridade monetária, Mario Draghi.

Para o fundo, isso não é assim tão óbvio. O BCE pode ser obrigado a adiar o momento desta subida porque a economia da zona euro está a perder força e a inflação geral continua demasiado baixa.

Diz mesmo que pode "demorar alguns anos" até que a inflação chegue ao objetivo do BCE (perto mas abaixo de 2%): isto é, Frankfurt pode ter de esperar mais tempo do que julga para subir taxas de forma determinada.

Se vingar este cenário defendido pelo FMI, os mais endividados, como os que investem em habitação em Portugal, conseguem proteção durante mais "algum" tempo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.