Café e horários. Banca mexe nos balcões para atrair clientes

Santander abre novo formato de agências bancárias/café. CGD prepara anúncio de novo modelo de serviço ao cliente. Novos balcões do Montepio vão ter horários diferenciados.

É a resposta dos bancos à concorrência dos rivais digitais. Depois do fecho de muitas agências nos últimos anos e da redução de milhares de postos de trabalho, os bancos preparam-se para lançar novos conceitos de balcões.

O Santander Totta abriu em dezembro o seu primeiro work-café, uma agência bancária com um novo conceito. Nestas agências novas os clientes do Santander encontram serviços bancários, espaço de co-working e uma cafetaria num só lugar. A agência situada nas Amoreiras, em Lisboa, é um espaço colaborativo onde se pode trabalhar, estudar, navegar na internet, fazer reuniões ou assistir a eventos. É a primeira de um conjunto de vários Work-Café Santander que o banco vai abrir em Portugal em 2019.

O novo espaço do Santander tem vindo a ser implementado pelo grupo espanhol em diversos países, como Chile, Brasil e Argentina, e chega agora a Portugal. O horário do espaço também é mais alargado do que o das agências bancárias, funcionando das 08h30 às 17h30.

A agência das Amoreiras, com mais de 250 m2, tem um balcão de acolhimento que direciona os clientes que queiram realizar operações bancárias, seja com um gestor seja nas caixas Self Banking e ATM. O espaço de cafetaria é concretizado em parceria com a Delta.

Este tipo de balcão vem juntar-se a outro que o banco tem a funcionar no campus da Nova SBE, em Oeiras - o Santander Money Club -, cujo horário vai das 10h00 às 20h00.

Mas o Santander não é o único a explorar novos conceitos de agências bancárias para captar e reter clientes. A Caixa Geral de Depósitos vai anunciar em breve um novo modelo de prestação de serviços aos seus clientes que pode passar por mudar o horário de balcões e prestar novos serviços. O novo modelo de atendimento ao cliente será anunciada em breve, garante o banco estatal.

Horários ajustados às necessidades dos clientes

Também o Montepio está a olhar de forma diferente para os seus balcões. As novas agências que está a abrir "irão ter horários ajustados às necessidades dos clientes do banco na localidade", segundo a porta-voz da Caixa Económica Montepio Geral. Está em causa uma dezena de novas agências a abrir em diversas localidades. "Algumas podem abrir à noite, outras ao fim de semana", disse a mesma fonte. "De acordo com os estudos que efetuámos, este serviço às populações não é incompatível, bem pelo contrário, com a melhoria da rentabilidade do banco. É uma situação em que todos ganham."

No final de setembro de 2018, o setor empregava quase 47 mil bancários e tinha mais de 4300 balcões

Em causa está a abertura de um novo conceito de pequenos balcões de proximidade, numa primeira fase, em zonas urbanas. O objetivo é servir as populações com menos acesso a serviços bancários. Já estão em fase de implementação pequenos balcões em sete localidades: Abraveses (Viseu), Avanca (Estarreja), Pedras Salgadas (Via Pouca de Aguiar), Fão (Esposende), Ferro (Covilhã), Ferreira do Alentejo e Oiã (Oliveira do Bairro). "Ser um banco diferente é estar mais onde os outros estão menos, abrir portas onde outras se foram fechando", explica o Montepio.

Esta inovação surge numa altura em que a banca assiste a uma revolução digital, com crescente migração de clientes para serviços online.

Além de que as agências com horário mais tradicional - das 08h30 às 15h00 - concorrem com as agências do Banco CTT, que funcionam nas estações de Correios entre as 09h00 e as 18h00.

No caso do Banco BPI e do Millennium bcp, dispõem de agências em centros comerciais, com horários mais alargados do que a maioria dos balcões das suas redes. Mas não têm planos para outras alterações nas agências.

Balcões na era das apps

A explosão de serviços financeiros na internet e no telemóvel tornou as agências um conceito obsoleto. A crise por que passou a banca portuguesa - com alguns bancos a precisar de ajuda financeira estatal - levou à implementação de planos de reestruturação, implicando despedimentos e fecho de balcões.

No final de setembro de 2018, o setor empregava quase 47 mil bancários e tinha mais de 4300 balcões. No final de 2011, existiam 6300 agências e o número de bancários superava os 57 mil.

Agora, a par da aposta no digital, alguns bancos estão a olhar para formas de rentabilizar as suas agências e atrair clientes numa era cada vez mais virtual. E em que as fintech são um desafio à concorrência.

Desde o início de 2018 até ao dia 12 de janeiro deste ano chegaram ao Banco de Portugal 5405 pedidos de autorização de entidades para operar como intermediário de crédito. Só no mês de dezembro, o Banco de Portugal recebeu 2212 pedidos. No total, 1136 pedidos foram autorizados e 170 foram recusados.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.