A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Naquele parque de Barcelona havia bancos, escadarias, monstros de cerâmica colorida que o encantaram. Fernando foi hipnotizado por aqueles vidrinhos multicolores. Impregnaram-se-lhe num qualquer lugar do cérebro onde se escondem as preferências da vida. Isto aconteceu na década de 1950 e determinou para Fernando Rosales uma convicção. A sua terra? Barcelona.

A Fernando a cidade entrava-lhe naturalmente na vida, no dia-a-dia, era o seu ser espanhol. No princípio da década seguinte, 1961, ele e todo Saucelle - relembro, bem longe, lá em Leão - estavam metidos na taberna, frente ao único televisor - a preto e branco, claro - que transmitiu a glória do Barcelona a dominar um desafio de futebol (várias bolas à trave) e acabou a perder por 2-3! Fernando chorou aquela Taça dos Campeões Europeus perdida e vingou-se expulsando à pedrada uma carripana portuguesa que ousara parar na única bomba de Saucelle. Não que fosse contra os estrangeiros (ele rezava os nomes húngaros de Kubala, Kocsis e Czibor) mas naquela noite estava contra os vizinhos portugueses. No ano seguinte, quando voltou a ver, na mesma taberna e no mesmo televisor aziago, o Benfica a derrotar outro clube espanhol, já não lhe custou tanto. Fernando já era um culé, adepto do Barça. E mais do que isso, um catalão porque sim.

Adolescente, Fernando descobriu um livro, Homenagem à Catalunha. Numa página, George Orwell escrevera sobre a Guerra Civil espanhola em Barcelona: "Ninguém dizia señor, ou don e tão-pouco usted, todos se tratavam por camarada e ." A feitiçaria que na infância lhe fora feita por pedaços brilhantes do Parque Güell, foi-lhe avivada na adolescência por aquele elogio da fraternidade. E Fernando ia preenchendo a alma com a já sua amada cidade. Nem as páginas seguintes de Orwell denunciando que camaradas fuzilavam camaradas (por exemplo, comunistas aos esquerdistas do POUM), nem o que ele ia sabendo pela vida fora (por exemplo, a alta burguesia catalã aliando-se ao franquismo), nada nem nunca lhe esmoreceu o fascínio. Não são assim, paradoxais, os amores pátrios? Como em Salamanca um general gritar "Viva la Muerte!" numa Universidade e, da mesma banda da Guerra Civil, o reitor Miguel Unamuno resgatar a honra: essa frase é tola sobretudo na casa da inteligência!

Fernando fez-se engenheiro das barragens do Douro, casou com uma andaluza porque o amor não se torce e ficou conservador porque a idade é assim. As coisas da vida, respeitou-as. Mas no que pôde determinar, escolheu. Aproveitava ter uma pátria vária para melhor cultuar a parte dela que elegeu a mais querida. Se tinha de viajar de carro além-Pirenéus, saía pela fronteira catalã Porbou, mesmo se a autoestrada pelo País Basco, a única alternativa, era mais perto. Quando o seu país escolheu, da única vez que o fez, ser olímpico, Fernando endividou-se para passar um mês em Barcelona. Quando votava, escolhia socialista ou conservador segundo o que melhor se aliasse com os catalães. Embora vivendo próximo da Galiza, o galego que melhor conheceu foi o detetive Pepe Carvalho, porque personagem do catalão Manuel Vasquéz Montalbán. Lia o único exemplar de La Vanguardia que se vendia em Saucelle. E, quando teve um filho, Fernando batizou-o na variante catalã Ferran.

Pois este Fernando Rosales de que falo tem uma angústia. Leonês, amante da Catalunha, espanhol, enfim. Um dia, ele votou em liberdade, com todos os espanhóis, um todo constitucional onde as partes, autonomias, tinham privilégios. Fernando bateu-se ainda mais quando beneficiava aquela parte de Espanha pela qual ele estava enfeitiçado. Porquê Barcelona? Já vos disse, porque sim. Mas, há uns tempos e agora forte, fala-se de um referendo. E é isso que o angustia. E, não, nem é a unidade do seu país, de Espanha, que o afoga. A angústia dele é: a decidir-se, quem pode decidir? Fernando quer saber se essa questão que lhe é tão funda, cara, essencial, a marca de uma vida, ser espanhol e amar especialmente a Catalunha, pode ser tomada, sem ele participar como cidadão interessado que é. Como pode Fernando Rosales ser desapossado de uma decisão que o vai, ou não, amputar? Como é que, numa sociedade democrática, os cidadãos do todo são de segunda e os da parte decisores, quando a decisão mudará profundamente, definitivamente, a vida de todos?

Exclusivos