Premium Todas as árvores do Central Park numa torre que busca o Sol

Uma torre de 21 andares e 42 apartamentos de luxo que roda para que todas as casas tenham sol e vistas variadas está prestes a ser inaugurada em Taiwan. O projeto é do arquiteto belga Vincent Callebaut, que se especializou em projetar edifícios e cidades sustentáveis. A Torre Agora terá 23 mil árvores plantadas no piso térreo, na cobertura e nas varandas, para absorver 130 toneladas de dióxido de carbono por ano. Cada apartamento custa 27 milhões de euros e tem elevador para levar o carro até casa.

Há décadas que o arquiteto belga com ateliê em Paris se dedica a projetar as cidades verdes do futuro. Vincent Callebaut, que se intitula archibiotect - algo que se pode traduzir como arquibioteto -, empenha-se em aliar à arquitetura as biotecnologias para criar estruturas sustentáveis. O seu olhar utópico ganha agora forma numa torre impressionante, cuja obra está a terminar em Taipé, Taiwan. Trata-se da Tao Zhu Yin Yuan ou Agora Garden. Também lhe chamam jardim no céu porque tem quase tantas árvores como o Central Park.

A estrutura da torre de 21 andares foi inspirada na dupla hélice do ADN, "fonte de vida, dinamismo, símbolo de harmonia", descreve o arquiteto. De um corpo central circular fixo saem duas torres em hélice, cujo movimento de 4,5 graus em cada piso permite uma rotação total de 90 graus. Isto faz que todos os apartamentos apanhem sol, mudem as vistas, estejam resguardados dos olhares indiscretos e que os jardins suspensos sejam generosos. Com esta rotação, a torre vai apresentar-se em quatro configurações diferentes: o perfil em V, em X, elíptico e piramidal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.