Premium Médias de colocados no superior são as mais altas desde 2012

Entre os colocados neste ano, na 1.ª fase de acesso ao ensino superior, 41 entraram com média de 20 valores exatos. E o número de alunos com média igual ou inferior a dez valores diminuiu face ao ano transato.

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no ensino superior não era tão alta. Relativamente aos alunos de cursos científico-humanísticos, a média dos colocados tem vindo a aumentar desde 2015, tendo atingido os 15,5 valores neste ano. Em 2012 - ano mais antigo sobre o qual a tutela apresenta números -, ficou ligeiramente abaixo deste limite. "Os alunos estão motivados", justifica o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), António Fontainhas Fernandes.

Ao analisar o gráfico destes últimos sete anos, enviado ao DN pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), "não parece haver uma tendência clara", escreve a tutela. Desde 2012 que as médias dos vários grupos de cursos se mantêm instáveis. "Nem é possível adivinhar se será assim no próximo ano, porque são dados flutuantes", acrescenta Fontainhas Fernandes. Dependem de fatores como a dificuldade dos exames nacionais, por exemplo, e das reformas pedagógicas adotadas nas escolas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.