Premium  Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Recentemente, ficámos a saber que o filme Peregrinação, realizado por João Botelho, foi o escolhido para representar Portugal na "corrida" aos Óscares, na categoria reservada à "língua estrangeira", por oposição ao inglês. E voltámos a ter notícias de Deana Barroqueiro, escritora que há praticamente um ano reclama ser a autora, não reconhecida, de uma parte do "argumento" trabalhado pelo cineasta. A explicação - que me parece equivaler a prova, nestas circunstâncias - afigura-se simples: o filme é baseado nos escritos de Fernão Mendes Pinto mas acaba por extravasá-los e por se aproximar do que a autora passou a algumas páginas de O Corsário dos Mares - Fernão Mendes Pinto, editado em 2012 (o filme é de 2017), apresentando sequências não contempladas no legado do autor seiscentista. Pergunta-se: não valeria a pena reconhecer esse "empréstimo" que, não admitido, acabará certamente por ganhar outras designações, menos amigáveis e mais drásticas?

Ler mais

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG