Premium Nazaré, a menina guineense que voltou a comer e a equipa portuguesa que a salvou

Um acidente doméstico fez com que Nazaré estivesse dois anos sem conseguir comer. Foi operada no Centro Hospitalar de São João, graças à ação da Missão Saúde para a Humanidade (MSH), uma ONG, que se prepara para levar a menina de volta para Bissau.

Quando chegou ao internamento do Hospital de São João, no Porto, Nazaré não se interessava muito por bonecos. Era a comida que lhe prendia a atenção. Não podia alimentar-se como as outras crianças, mas a vontade era tanta que dormia com um boião de fruta numa mão e um pacote de bolachas na outra. A menina guineense, de 3 anos, estava a ser alimentada por uma sonda há dois, desde que ingeriu soda cáustica, que lhe queimou e fechou o esófago. Um mês depois de ter chegado da Guiné-Bissau, foi submetida a uma cirurgia que lhe devolveu a capacidade de se alimentar. Agora, dez dias após a alta, no Parque do Covelo, no Porto, os olhos brilham enquanto se delicia com um gelado - os seus e os de quem está à sua volta. Mas, dizem, "o que ela gosta mais é de carne e peixe".

O corpo franzino, o jeito tímido e o olhar dócil de Nazaré escondem uma vontade imensa de comer. Mal acaba o gelado, pede "sopa". Tem sido assim desde a cirurgia de "reconstrução" do esófago. Marta Resende, coordenadora dos voluntários da Missão Saúde para a Humanidade, que cuida da menina em sua casa até ao regresso à Guiné-Bissau, a 17 de novembro, diz que para Nazaré "tudo gira à volta da comida". Não fala muito. "Mas é muito determinada." Acorda a dizer "sumo e bolachas" e, na hora da refeição, pede sempre "grande" ou "tudo". "Tem o estômago reduzido, mas quer sempre mais. Temos de controlar a situação com manobras de distração", diz a advogada, de 27 anos, destacando que, apesar de ter estado muito tempo sem se alimentar normalmente, "começou a comer de forma muito natural". E, atesta, usa garfo e faca com uma destreza ímpar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.