Premium 7000 quedas em hospitais por ano. Internamento em macas agrava riscos

Caso de eventual negligência na morte de Ruben de Carvalho está sob investigação. População mais envelhecida e uma maior pressão sobre o internamento, com o recurso a macas para colocar os doentes, são fatores apontados para as cerca de sete mil quedas registadas, em média, anualmente.

As quedas nos hospitais são o principal incidente registado com doentes em ambiente hospitalar, sendo o tipo de acidente mais comum e que se mantém no topo das estatísticas nos últimos anos. Entre 2015 e 2017, foram registadas pela Direção-Geral da Saúde um total de 22 799 quedas de doentes nos hospitais sendo a principal causa de incidentes a nível de segurança interna nos hospitais.

Em 2018 e 2019, a tendência mantém-se e, além de um maior rigor na monitorização e registo destes acidentes pelos profissionais de saúde, há três razões que podem explicar a manutenção do elevado número de casos, em que o estado de saúde do doente é determinante para o acidente: a idade cada vez mais avançada dos doentes internados, a maior dependência dos doentes em termos de mobilidade e a pressão que existe sobre os internamentos hospitalares, com o número de macas nos corredores a ser também maior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.