Imagens feitas há cem anos na ilha do Príncipe provaram que Einstein estava certo

Há um século, o astrónomo britânico Arthur Eddington foi à ilha do Príncipe fazer fotos de um eclipse total do Sol e, com isso, mudou a ciência. O Observatório Astronómico de Lisboa deu apoio logístico à expedição.

Há exatamente cem anos - cumprem-se neste mês -, o astrónomo inglês Arthur Eddington, do Observatório de Cambridge, viajou até à ilha do Príncipe para fotografar o eclipse do Sol, que naquele território era visível na totalidade. O seu objetivo era tentar comprovar a teoria da relatividade geral que um jovem físico, até então praticamente desconhecido, tinha publicado em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial. Einstein, claro. As 19 chapas fotográficas que Eddington fez durante os 302 segundos que durou o fenómeno, a 29 de maio de 1919, foram a primeira prova direta de que Einstein estava certo. Essas imagens mudaram a ciência. E Einstein tornou-se o físico mais mais famoso do século XX.

A história dessa viagem à ilha do Príncipe - e a da expedição de um segundo grupo de astrónomos britânicos, que partiu para Sobral, no Brasil, exatamente com a mesma missão - é o tema da exposição E3-Einstein, Eddington e o Eclipse, que é inaugurada hoje no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, da Universidade de Lisboa, como parte das comemorações do centenário da histórica missão científica.

Concebida "como uma viagem a essas duas viagens", como explica ao DN a sua comissária, a investigadora e historiadora das ciências Ana Simões, da Faculdade de Ciências, e coordenadora do Centro Interuniversitário de História das Ciências e Tecnologia, a exposição conta em painéis explicativos o que esteve em causa na demonstração científica da teoria da relatividade, a partir das fotografias do eclipse, e mostra vários objetos ligados à missão, e à sua preparação.

Entre eles, estão as cartas trocadas entre Eddignton e o então diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), Campos Rodrigues, e três das chapas fotográficas originais, captadas por Eddington no Príncipe, que ele mesmo ofereceu ao OAL, em reconhecimento do apoio logístico que este lhe tinha prestado. Afinal, à época, a ilha do Príncipe era território português, e o observatório também teve o seu papel na missão.

A história dessa ligação do OAL à expedição de Eddington era desconhecida até há dez anos. Sabia-se que, ao contrário do que seria de esperar, nenhum astrónomo português tinha participado na expedição ao Príncipe. E pouco mais.

"Sempre me pareceu que devia haver mais qualquer coisa, e quando uma aluna quis fazer o mestrado em História da Ciência, sugeri-lhe que fosse para os arquivos do observatório, para tentar explorar a questão", lembra Ana Simões.

As suas suspeitas estavam corretas - havia mesmo mais para contar. Nomeadamente, a troca de correspondência entre Eddington e os astrónomos do OAL, e o apoio que este lhe prestou, para viajar até ao Príncipe e aí se instalar, na roça Sundy, para fazer as suas observações.

Elsa Mota, Ana Simões e Paulo Crawford contaram tudo isso pela primeira vez em 2008, num artigo publicado na revista científica da British Society for the History of Science.

Um astrónomo no Corpo Expedicionário Português

A primeira carta que Arthur Eddington enviou a Campos Rodrigues, que na altura dirigia o OAL, é datada de 11 de novembro, o Dia do Armísticio, que marcou o fim da Grande Guerra.

Nela, o cientista britânico solicitava apoio logístico para a expedição que tencionava fazer no ano seguinte, por ocasião do eclipse total do Sol. Eddington tinha-se cruzado pouco antes com a então novíssima teoria da relatividade e tinha ficado muito entusiasmado.

Se Einstein estivesse certo, a luz de estrelas distantes teria de sofrer um encurvamento mensurável à passagem junto a um campo gravítico, como o da massa do Sol, mas só durante um eclipse, sem a luz solar na frente, seria possível medir esse encurvamento. À época, os astrónomos já dispunham das técnicas necessárias para fazer essas medições, e Eddington não queria perder uma tal oportunidade.

Na correspondência posteriormente trocada entre o britânico e o subdiretor do OAL, Frederico Oom, foi abordada a hipótese de participação de um astrónomo português na expedição, como mostra a documentação encontrada nos arquivos. Seria Manuel Peres, que estava então destacado em Moçambique, como diretor do Observatório de Lourenço Marques. Só que, nessa época, as viagens eram feitas por mar, e muito espaçadas entre si.

A Companhia Nacional de Navegação só fazia duas viagens mensais a São Tomé, e apenas uma delas ia também ao Príncipe. O OAL conseguiu assegurar a viagem a Eddington, que chegou à ilha um mês antes, mas Manuel Peres acabou por não conseguir ultrapassar a tempo as burocracias necessárias para fazer a viagem.

"O astrónomo Melo e Simas teria sido uma outra possibilidade, mas ainda estava no Corpo Expedicionário, com o qual Portugal participou na Primeira Guerra", conta Ana Simões, que estudou o seu percurso científico e profissional

"Melo e Simas, que foi mais tarde diretor do Observatório Astronómico de Lisboa, chegou ele próprio a fazer, em 1923, medições de estrelas para comprovar a teoria de Einstein, usando o campo gravítico de Júpiter", lembra a comissária da exposição. As suas observações, no entanto, não foram conclusivas.

302 segundos que mudaram a ciência

Em maio de 1919, instalado na roça Sundy, com o apoio do seu proprietário, Jerónimo Carneiro, Arthur Eddington teve um mês para preparar o trabalho que teria de concretizar durante aqueles 302 segundos decisivos - fazer o maior número possível de chapas fotográficas. Numa das cartas que enviou ao OAL falava da sua preocupação com a meteorologia. Se houvesse demasiadas nuvens, ou se chovesse naquele curtíssimo intervalo de tempo, a missão seria um falhanço. Ele manifestava essa preocupação.

Os seus piores receios não se concretizaram. Ainda choveu nesse dia, e havia algumas nuvens no céu, mas à hora certa o Sol escondeu-se e Eddington fez as suas imagens históricas.

De regresso a Cambridge, seguiram-se meses de cálculos. A 6 de novembro, o mundo ouviu pela primeira vez, a partir da Royal Society, em Londres, que nesse dia estava à cunha, que uma nova e ousada teoria para explicar o universo, a teoria da relatividade geral, publicada por Einstein quatro anos antes, estava certa.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.