Premium Quartos arrendados por sexo. Sexo para pagar rendas. Como as rendas caras aumentaram a prostituição

Há quem se aproveite dos preços exorbitantes das rendas para conseguir trocar alojamento por serviços sexuais. E há também muita gente a cair na prostituição para conseguir pagar habitação, mais do que no período da troika.

Um homem na casa dos 40 anos, de elevado estatuto social, tem três apartamentos numa das zonas mais nobres de Lisboa. Cada um deles é ocupado por uma mulher: uma portuguesa, uma brasileira e uma outra nigeriana, todas jovens e "esculturais". Nenhuma delas paga um cêntimo de renda, apenas água e luz. O acordo com o "senhorio" é outro: têm de "receber" os amigos dele para encontros sexuais, serviços pelos quais cobram um mínimo de 100 euros, metade dos quais vão diretos para o bolso do dono das casas. A morar num apartamento de luxo ao lado, é ele que controla a agenda das mulheres, escolhidas em plataformas online e que chegam a receber seis homens à hora do almoço e à tarde, quando os prédios estão vazios. Depois dessa hora, as visitas são proibidas - os vizinhos podiam desconfiar. Não há anúncios na internet, nem em jornais, e com este esquema o homem encaixa pelo menos seis mil euros por mês.

"Elas aceitam porque dizem que pelo menos não têm de pagar renda, sempre poupam algum dinheiro." Quem o conta é Inês Fontinha, que durante mais de 40 anos dirigiu O Ninho, associação que acompanha e reabilita prostitutas na cidade Lisboa e que admite que até para ela este é um fenómeno novo. Fenómeno que tem uma razão óbvia: os preços exorbitantes da habitação na capital, que estão também a levar mais mulheres a recorrer à prostituição para conseguirem suportar as rendas, ao mesmo tempo que muitas outras não conseguem deixar as ruas.

Ler mais

Exclusivos