Premium Nigel Farage, contra tudo e contra todos, a viver da UE há 20 anos

Promoveu uma moção de censura contra Durão Barroso, chamou esfregona a Herman van Rompuy e foi um dos principais impulsionadores da campanha do Leave para o Reino Unido sair da UE. Mas como o Brexit descarrilou e foi adiado, Nigel Farage, de 55 anos, já lançou a candidatura para um quinto mandato como eurodeputado.

O Parlamento Europeu (PE) realiza nesta semana, em Estrasburgo, a sua última sessão plenária antes das eleições europeias. Estas realizam-se, nos vários países da União Europeia, entre os dias 23 e 26 de maio. A grande incógnita é saber se a nova eurocâmara, que toma posse a 2 de julho, terá 751 ou 705 eurodeputados. Tudo por causa do atraso do Brexit. O Reino Unido deve participar no escrutínio, se o seu Parlamento não aprovar rapidamente um acordo sobre a saída da UE, embora muitos políticos britânicos se recusem a participar no processo por considerá-lo avesso ao resultado do referendo de 2016. Mas esse não é o caso do conhecido deputado eurocético Nigel Farage.

"Vou liderar o Partido Brexit nas eleições europeias, pois agora parece certo que elas acontecerão", declarou o eurodeputado eurocético à Sky News, antes de a UE ter aceitado adiar o Brexit até 31 de outubro, acrescentando: "Estou feliz com isto? Não. Pensei que já tínhamos vencido a batalha do Brexit. Tenho outras coisas que gostaria de fazer na minha vida." Na passada sexta-feira, quando lançou a campanha do Partido do Brexit às europeias, declarou: "Acho que o que temos visto durante as últimas quatro semanas é a traição ao maior exercício democrático neste país." Num evento, em Coventry, Farage apresentou uma lista com 70 candidatos, entre eles Annunziata Rees-Mogg, irmã de Jacob Rees-Mogg. Este é o líder dos brexiteers radicais do Partido Conservador que têm infernizado a vida da primeira-ministra Theresa May.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.