Premium "Movimento populista global" na agenda de Trump em Londres

Entre polémicas e manifestações, o presidente americano recebeu apoio de grupos da "direita alternativa" com quem Steve Bannon esteve reunido. O objetivo é claro: mudar a política europeia.

A entrada, pintada de azul-celeste, é recente. Mas o edifício vitoriano, com os seus tijolos castanhos, já recebe clientes desde 1871, neste número 43 da Blythe Road, em Hammersmith, Londres ocidental. As duas pipas de madeira continuam à porta, uma de cada lado. Mas o nome do pub foi tapado. Em vez de Jameson, desde sexta-feira passada, lê-se "The Trump Arms".

No sábado, o pub deu uma festa - 32 libras cobradas à porta - para mostrar ao presidente americano "umas acolhedoras boas-vindas". O sentimento vê-se, dos bonés com o slogan de campanha (Make Americ a great again) às bandeiras de riscas e estrelas. O dono do pub, Damien Smyth, gosta de Donald Trump. Mas a festa tem mais significados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?