Premium "Movimento populista global" na agenda de Trump em Londres

Entre polémicas e manifestações, o presidente americano recebeu apoio de grupos da "direita alternativa" com quem Steve Bannon esteve reunido. O objetivo é claro: mudar a política europeia.

A entrada, pintada de azul-celeste, é recente. Mas o edifício vitoriano, com os seus tijolos castanhos, já recebe clientes desde 1871, neste número 43 da Blythe Road, em Hammersmith, Londres ocidental. As duas pipas de madeira continuam à porta, uma de cada lado. Mas o nome do pub foi tapado. Em vez de Jameson, desde sexta-feira passada, lê-se "The Trump Arms".

No sábado, o pub deu uma festa - 32 libras cobradas à porta - para mostrar ao presidente americano "umas acolhedoras boas-vindas". O sentimento vê-se, dos bonés com o slogan de campanha (Make Americ a great again) às bandeiras de riscas e estrelas. O dono do pub, Damien Smyth, gosta de Donald Trump. Mas a festa tem mais significados.

Quando o jornal inglês The Independent lá foi, na sexta-feira, fazer reportagem, um dos atarefados organizadores era Gawain Towler, o conhecido porta-voz do UKIP que, desta vez, está a trabalhar para Patrick Sullivan, o líder de um think tank londrino ligado ao Partido Conservador, chamado Parliament Street.

Outros grupos de reflexão política juntam-se à festa - o Bow Group e o Bruges Group. Sullivan explica a intenção: "Estamos aqui em nome da maioria silenciosa dos britânicos. Estamos a mostrar a Trump que, afinal, os britânicos apoiam-no e que os insubordinados não falam por todos nós." Os "insubordinados" a que se refere são, claro, os anti-Trump, que organizaram manifestações em quase todas as cidades inglesas, escocesas, galesas e irlandesas para protestar contra a administração americana.

Quando Trump soube que o Jameson mudara de nome para o apoiar, reagiu com uma daquelas suas frases simples e eficazes: "Adoro essas pessoas. Essas pessoas são o meu povo."

Aproximação entre conservadores e alt-right

O Bow Group é o mais velho think tank conservador britânico. Ainda Trump estava a aterrar em Londres já os membros do Bow o homenageavam, entregando a um representante do Partido Republicano dos EUA um busto de Winston Churchill (uma vez que Trump voltou a colocar na Sala Oval um busto do ex-primeiro-ministro britânico, depois de Obama o ter trocado por uma escultura de Martin Luther King).

Churchill é apenas um símbolo, aqui. Há outros, mais relevantes. A lista de oradores do encontro incluiu Nigel Farage (ex-líder do UKIP e amigo de Trump), que criticou a primeira-ministra conservadora britânica por "em cada possível oportunidade seguir a manada do politicamente correto e criticar Trump e as suas ações".

Falou também Raheem Kassan, o ex-editor em Londres do jornal da "direita alternativa" americano Breitbart. E também o presidente do Bow, Ben Harris-Quinney, um conservador que apelou ao voto no UKIP em 201, e que membros do seu próprio partido consideram ser um "homófobo e uma ameaça" depois de ter considerado uma "indignidade" a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo pelo governo conservador de James Cameron.

Nos últimos tempos, revela a imprensa inglesa, alguns destes clubes políticos têm-se aproximado de outros - menos conservadores e mais alt-right - como o Traditional Britain, que defende a deportação de "pessoas de cor" para "as suas terras de origem".

A estratégia para a Europa

Na origem desta aproximação entre setores antagónicos da direita britânica está o persistente trabalho no terreno do ex-estratega de Trump, Steve Bannon. Ele está agora em Londres, segundo revelou ao jornal Politico, para "ser o representante nos media britânicos" da visita de Trump.

Raheem Kassan explicou a importância disso à revista The Atlantic: "O Steve sabe que estamos num momento de mudança na história e na política neste momento, e é alguém que trabalha neste movimento há dez anos." "Ele não é um zé-ninguém, é alguém que está comprometido com um movimento global", acrescenta o líder do Bow Group, Harris-Quinney.

A Europa é o principal palco para a formação desse seu movimento, como mostram os recentes encontros de Bannon com Marine Le Pen, o novo ministro do Interior italiano Salvini ou o primeiro-ministro húngaro Orbán - os principais rostos do euroceticismo. "Aproveitar a visita de Trump a Londres é parte do esforço para aumentar a sua reputação como líder daquilo que ele próprio vê como um movimento populista global", analisa a The Atlantic.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)