Premium Das polémicas às promessas: assim é a nova líder da Comunidade de Madrid

Militante do Partido Popular desde os 25 anos era quase uma desconhecida quando Pablo Casado a escolheu como candidata a presidente da Comunidade de Madrid. Vai liderar um governo à Andaluza, com Ciudadanos e o apoio da extrema-direita.

Isabel Díaz Ayuso, de 40 anos, foi eleita nesta quarta-feira presidente da Comunidade de Madrid. Vai liderar um governo de coligação com o Ciudadanos, tendo contado com o apoio da extrema-direita do Vox na investidura. Uma situação semelhante à que aconteceu na Andaluzia. A tomada de posse será na próxima segunda-feira.

A divisão nacional que tem impedido que haja um novo governo em Espanha confirmou-se também a nível regional em Madrid na noite eleitoral de 26 de maio e, pela primeira vez desde 1991, o PP não foi o partido mais votado na comunidade madrilena. Só conseguiu 30 lugares na Assembleia, contra os 37 dos socialistas liderados por Ángel Gabilondo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.