1940. A inauguração da Base Aérea da Ota

Notícia teve o maior destaque da primeira página do DN deste dia em 1940.

"Milhares de pessoas" deslocaram-se à Ota para a inauguração da Base Aérea n.º 2, que contou com a presença das mais altas figuras do Estado português, segundo noticiava o DN neste dia há 79 anos, numa reportagem num estilo bem da época.

"A Base Aérea n.º 2, magnificamente instalada em vastos terrenos da Ota, cerca de Alenquer, que o Diário de Notícias já oportunamente descreveu com todas as minúcias, albergando comodamente e em obediência a todos os preceitos 160 homens e 60 aviões, foi ontem solenemente inaugurada - dia festivo para a aviação portuguesa, que ali tem realizado uma das suas mais justas aspirações. Foi este, incontestavelmente, o grande acontecimento do dia de ontem, movimentando até ao pitoresco local centenas de automóveis e outros meios de transporte, que desde as primeiras horas da manhã carrearam milhares de pessoas, ávidas de assistir à interessante cerimónia e seu respetivo programa de demonstração do emprego da aviação pelas unidades da base, com superior critério organizado."

O texto era acompanhado de três fotos: do Presidente da República, Óscar Carmona, a destrancar "o portão cerrado que ao Chefe do Estado competiria abrir"; de Carmona com o presidente do Conselho, Oliveira Salazar, e outros membros do governo e militares a visitarem as instalações; e de uma imagem dos exercícios aéreos que se realizaram, "em formação impecável", como descrevia o DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.