Premium "Após a história do NY Times recebi a maior coleção de insultos"

A ligação do cartoonista ao Expresso é quase tão antiga como o 25 de Abril de 1974. Mais de 25 anos depois do famoso Papa com um preservativo no nariz, já sem ilusões sobre uma carreira internacional, viu-se envolvido em mais uma controvérsia. Desta vez no The New York Times, com Trump e Netanyahu como visados.

António para os leitores, António Antunes na vida civil. O seu olhar artístico faz parte das páginas do Expresso desde 1974, com um ano de interrupção, em 1979, quando desenhou para O Jornal. Em paralelo trabalhou em artes gráficas, tendo em 1980 criado o ateliê de design gráfico Arte Final. Os portugueses reconhecerão algumas das suas criações, como os pacotes dos cigarros Português Suave e Surf ou das cigarrilhas Real Feitoria. A empresa está sem atividade, mas é aí que António mantém o seu local de trabalho. Aos 66 anos, este símbolo do Expresso tem o seu talento imortalizado na estação de metro do Aeroporto e numa estátua de Álvaro Guerra (o seu primeiro chefe de redação, do República), em Vila Franca de Xira.

O desenho com Netanyahu e Trump fez que o The New York Times deixasse de publicar cartoons políticos na edição internacional. A sua colaboração era só com o NYT?
Houve um equívoco. Nos anos 1980 tive um acordo com uma agência de distribuição, a Cartoonists and Writers Syndicate de Nova Iorque. Jerry Robinson, que tinha sido cartoonista e criou a imagem do Joker [personagem do Batman] fez o Views of the World, que reunia 50 cartoonistas de todo o mundo, exceto americanos. Entrei na seleção e nessa altura tive alguns sonhos. Pensei em fazer mais política internacional. Quando veio o pagamento o sonho caiu ao chão e houve um barulho do sonho a partir-se todo. O pagamento era simbólico. Adotei uma posição mais defensiva, ou seja, continuei a enviar desenhos quando tinha, não os fazia de propósito. O Syndicate editava uma página grande em couché, com muito boa qualidade, que enviava aos jornais assinantes, os quais picavam o que lhes interessava. Eu só recebia por entrar na folha.

Ler mais

Exclusivos