Taça da Liga: o troféu que falta ao FC Porto e que já deu muita polémica

Fase de grupos arranca nesta sexta-feira. Dragões nunca venceram a prova, que em 11 edições já teve de tudo: um jogador que atirou a medalha ao chão, desempates por idades, protestos por jogos que não começaram à mesma hora e um campeão surpreendente.

A fase de grupos da Taça da Liga arranca nesta sexta-feira, já no molde de quatro agrupamentos de onde vão sair as quatro equipas apuradas para a final four (os primeiros classificados), que à semelhança da época passada se disputa em Braga, em janeiro (de 22 a 26).

O primeiro jogo é já nesta sexta-feira à noite, com a receção do FC Porto ao Desportivo de Chaves. O Benfica entra em ação no sábado, na Luz, diante do Rio Ave, e o Sporting recebe o Marítimo no domingo, naquele que será o primeiro jogo do clube leonino já com o presidente Frederico Varandas em funções.

A competição cuja primeira edição se disputou na temporada 2007-08, e que teve vários formatos, já conheceu cinco vencedores: Benfica (sete vezes), Sporting (1), Sp. Braga (1), V. Setúbal (1) e Moreirense (1). Mas é uma pedra no sapato do FC Porto, que continua sem ter qualquer Taça da Liga nas prateleiras do museu.

Este é, aliás, o único troféu interno que os dragões nunca venceram, apesar de terem disputado duas finais: em 2010 perderam com o Benfica e em 2013 com o Sporting de Braga. Mais do que isso: o FC Porto chegou a estar 1053 dias (um total de oito jogos) sem conseguir vencer um jogo nesta competição, uma malapata quebrada na época passada na receção ao Leixões, com um triunfo por 3-0.

O pior registo dos dragões foi na edição de 2015-16, quando caíram logo na fase de grupos com três derrotas nos três jogos disputados: em casa com o Marítimo (1-3) e fora com o Famalicão (1-0) e o Feirense (2-0) - com a curiosidade de cada derrota ter sido com um treinador diferente, Julen Lopetegui, Rui Barros e José Peseiro, por esta ordem.

Aliás, a malapata do FC Porto nesta competição vem logo desde a estreia, em setembro de 2007, quando foram logo eliminados no primeiro jogo (na altura a prova tinha um formato diferente) diante do Fátima, que era treinado por... Rui Vitória - o clube dos escalões secundários venceu os dragões no desempate por penáltis, após o 0-0 no final do tempo regulamentar.

A verdade é que esta competição foi diversas vezes desvalorizada por Pinto da Costa, presidente do FC Porto. Em março de 2012, após uma derrota por 3-2 com o Benfica, o líder portista chegou a dizer "desta Taça da Liga já estamos livres... na Taça da Liga, o Benfica prova que é melhor do que o FC Porto há quatro anos".

A Taça da Liga, que nasceu numa reunião do organismo que tutela o futebol português em novembro de 2006, por proposta do Sporting e do Boavista, esteve várias vezes condenada, sobretudo nos anos em que não teve nenhum patrocinador. Mas com a criação do formato final four, na temporada 2016-17, que foi aprovado pelos clubes numa assembleia extraordinária da Liga, ganhou uma nova projeção.

"A Liga Portugal há três anos apostou fortemente nesta competição. Regenerou-a e deu-lhe um novo conceito. Temos hoje uma prova em que todos querem participar e que todos querem ganhar", considerou Pedro Proença, em agosto, durante o sorteio da terceira fase, recordando que quando chegou ao organismo, em 2015, não havia sequer data para a realização da final.

A edição do ano passado ficou marcada pelo triunfo do Moreirense (1-0), após uma final inédita com o Sporting de Braga. Foi o primeiro troféu de sempre da história do emblema de Moreira de Cónegos, que na altura era treinado por Augusto Inácio.

Confira aqui o calendário de jogos

11 edições, muitas polémicas

As 11 edições da prova que já teve a denominação de Carlsberg Cup, Taça CTT e agora Allianz Cup ficaram marcadas por vários episódios. Recorde aqui alguns.

Porventura o mais marcante aconteceu na edição de 2008-09, quando o brasileiro Pedro Silva, jogador do Sporting, atirou para o relvado a medalha correspondente a finalista vencido, em protesto contra o árbitro Lucílio Baptista, que assinalou uma grande penalidade que permitiu ao Benfica empatar (1-1) o jogo e levar a decisão para as grandes penalidades (as águias acabariam por vencer). "Para que quero a medalha? Deem-na a ele [árbitro], a esse ladrão. Isto é uma brincadeira. Não foi penálti. Que o meu filho morra se foi penálti", atirou o defesa.

Nesta mesma temporada, mas num jogo anterior, um episódio envolvendo o FC Porto trouxe de novo à ordem do dia a importância dada à Taça da Liga. Antes de um jogo contra o Sporting, em Alvalade, nas meias-finais da competição, o plantel dos dragões viajou para a capital de comboio e no próprio dia do jogo, deixando vários jogadores importantes de fora (chegou a convocar Sérgio Oliveira, na altura juvenil do clube), numa decisão que foi interpretada na altura como desprezo pela prova. Resultado: o Sporting venceu por 4-1.

Ainda na mesma edição, deu-se o primeiro caso relacionado com os regulamentos da prova e com a média de idades. Portimonense, Académica e Beira-Mar ficaram em igualdade pontual no grupo, todos com dois pontos e sem golos marcados e sofridos. O regulamento determinava que o vencedor fosse o clube que tivesse utilizado o conjunto de jogadores com média de idades mais baixa. O Portimonense-Académica da última jornada continuava 0-0 quando Litos, treinador dos algarvios, colocou o guarda-redes Sapateiro, na altura com 19 anos, no lugar de Pedro Silva, que estava na baliza e era 16 anos mais velho. A substituição permitiu baixar a média de idades para 24,556, contra 24,682 da Académica e 25,474 do Beira-Mar.

No final do jogo, o Portimonense fez a festa convencido da qualificação, mas a Académica, treinada por André Villas-Boas, protestou, contestando o critério da média de idades e considerando que os regulamentos não esclareciam a fórmula a utilizar nem a razão de o Portimonense vencer o grupo, defendendo que a média de idades devia ser calculada jogo a jogo. Os estudantes apresentaram recurso e foi-lhes dada razão pelo Conselho de Justiça e, por isso, seguiram em frente.

Na edição de 2012-13, nova bronca e também relacionada com os regulamentos, com o V. Setúbal a protestar um jogo contra o FC Porto, realizado a 9 de janeiro de 2013, por os dragões terem utilizado Fabiano, Abdoulaye e Sebá, que menos de 72 horas antes haviam jogado pela equipa B portista, algo irregular à luz dos regulamentos e que até tinha resultado na perda de pontos do Sporting de Braga B, por questão semelhante que envolveu o seu jogador Emídio Rafael. No entanto, o FC Porto, que tinha ganho por 1-0 (golo de João Moutinho de penálti), alegou em sua defesa que os regulamentos eram apenas referentes a jogos das I e II Ligas e não da Taça da Liga e foi-lhe dada razão pelo Conselho de Disciplina, decisão ratificada pelo Conselho de Justiça.

Mas existiram mais polémicas. Em 2013-14, à entrada para a última ronda da fase de grupos, Sporting e FC Porto discutiam o apuramento para as meias-finais em igualdade pontual e, caso ambos vencessem, os leões só se classificariam se conseguissem uma diferença em relação aos portistas de pelo menos dois golos. O clube de Alvalade venceu o Penafiel por 3-1, enquanto o FC Porto estava igualado a dois golos com o Marítimo com a partida já nos descontos. Mas ao 90'+4, Josué deu o triunfo aos dragões, de penálti, que deu o apuramento aos dragões. Problema? O Sporting insurgiu-se contra o facto de o FC Porto-Marítimo ter começado dois minutos e 43 segundos depois do Penafiel-Sporting. Bruno de Carvalho ainda recorreu, mas não foi dada razão ao Sporting.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".