Premium A UE deve eliminar a hipótese de o Reino Unido adiar o Brexit

Para que o acordo de Theresa May seja aprovado, Bruxelas deve remover a opção de protelar o Artigo 50.º

Até agora, a UE ficou de fora das convulsões internas do Reino Unido sobre o Brexit, por um bom motivo. É mais fácil para um europeu continental aprender as regras do críquete do que entender a Câmara dos Comuns e o papel constitucional do seu presidente.

Apelo à UE para que reconsidere a sua posição e interfira ativamente no debate no Reino Unido, a fim de inclinar a balança das probabilidades a favor do acordo de saída proposto por Theresa May. O Conselho Europeu deveria fazer dois anúncios relativos a esta questão e, de preferência, muito em breve. O primeiro seria afirmar a disponibilidade da UE para renegociar a declaração política para que esta permitisse diferentes hipóteses para a futura relação. Isso poderia incluir, por exemplo, a opção da Noruega (pertença à Associação Europeia de Comércio Livre) ou uma união aduaneira. O segundo seria uma decisão política para descartar uma extensão do prazo de 29 de março para o Brexit, exceto para dar mais tempo para a ratificação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.