Premium Órgão feito em impressora 3D pode ajudar pessoas com lesões na medula espinal

Foram necessários dois anos de investigação para conseguir que 75% das células vivessem neste dispositivo feito numa impressora 3D.

Um grupo de investigadores da Universidade do Minnesota, nos EUA, criou um órgão através de impressão 3D que pode ajudar pessoas com lesões na medula espinal a recuperar o controlo de alguns músculos.

Este dispositivo, que tem silicone como base e células estaminais neurais no interior, funciona como uma ponte entre as células nervosas saudáveis na medula espinal do paciente. Quando o implante estiver totalmente desenvolvido, pode ser aplicado através de uma cirurgia.

"Até agora, não há tratamentos bons e precisos para aqueles que têm lesões de longo termo na medula espinal. Este é um primeiro passo entusiasmante no desenvolvimento de um tratamento para estas pessoas", disse Ann Parr, coautora da investigação, citada pela Universidade do Minnesota.

Foi também revelado um vídeo que mostra o processo de criação deste órgão 3D.

Além de poderem ganhar o controlo de alguns músculos, os pacientes que receberem este dispositivo também podem recuperar o controlo sobre órgãos como a bexiga.

Os resultados do estudo, publicados neste mês, dizem respeito a dois anos de investigação. As células estaminais neurais são criadas com base em células de pele ou de sangue de um adulto. Através de técnicas de bioengenharia, os investigadores conseguem "reprogramá-las" em células nervosas.

"O facto de termos conseguido manter 75% das células vivas durante o processo de impressão 3D e de as termos transformado em neurónios saudáveis é espetacular", sublinhou em comunicado Michael McAlpine, também coautor da investigação.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...