Premium Órgão feito em impressora 3D pode ajudar pessoas com lesões na medula espinal

Foram necessários dois anos de investigação para conseguir que 75% das células vivessem neste dispositivo feito numa impressora 3D.

Um grupo de investigadores da Universidade do Minnesota, nos EUA, criou um órgão através de impressão 3D que pode ajudar pessoas com lesões na medula espinal a recuperar o controlo de alguns músculos.

Este dispositivo, que tem silicone como base e células estaminais neurais no interior, funciona como uma ponte entre as células nervosas saudáveis na medula espinal do paciente. Quando o implante estiver totalmente desenvolvido, pode ser aplicado através de uma cirurgia.

"Até agora, não há tratamentos bons e precisos para aqueles que têm lesões de longo termo na medula espinal. Este é um primeiro passo entusiasmante no desenvolvimento de um tratamento para estas pessoas", disse Ann Parr, coautora da investigação, citada pela Universidade do Minnesota.

Foi também revelado um vídeo que mostra o processo de criação deste órgão 3D.

Além de poderem ganhar o controlo de alguns músculos, os pacientes que receberem este dispositivo também podem recuperar o controlo sobre órgãos como a bexiga.

Os resultados do estudo, publicados neste mês, dizem respeito a dois anos de investigação. As células estaminais neurais são criadas com base em células de pele ou de sangue de um adulto. Através de técnicas de bioengenharia, os investigadores conseguem "reprogramá-las" em células nervosas.

"O facto de termos conseguido manter 75% das células vivas durante o processo de impressão 3D e de as termos transformado em neurónios saudáveis é espetacular", sublinhou em comunicado Michael McAlpine, também coautor da investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.