Premium O Boom em 104 imagens ou um livro para entender um festival

Sob o Signo da Lua é o novo livro de Valter Vinagre, dedicado ao Festival Boom, que frequentou desde 2002. O que procurou o fotógrafo? "Quis perceber o que me leva ali, o que leva ali tanta gente."

Depois de ter participado no Boom sem usar máquina fotográfica em 2002 e 2004, ainda no Alentejo, Valter Vinagre passou a captar imagens, já em Idanha-a-Nova. Fê-lo para diversos órgãos de comunicação social de Portugal e de Espanha, mas fê-lo sobretudo para ele próprio: "A intenção era olhar para o espaço, para as pessoas, e tentar perceber o que me levava a fotografar lá dentro."

Ele sabia que aquele era um festival que não tinha na base nenhuma marca, como os que entretanto proliferaram. Tinha terminado um longo trabalho sobre a religiosidade nas festas pagãs e pensou que o Boom era "uma sequência lógica". "Não sendo crente nem consumidor daquela igreja, não sendo propriamente do meio, tudo me era estranho. Quando o festival foi para Idanha-a-Nova, uma terra que conheço bem, onde tenho residência e sou votante, fui ver se continuava a interessar-me. E continuava."

Crente? "É uma metáfora. Continuo sem perceber muito do que se passa ali a nível musical. Eles começam com o goa trance, música eletrónica muito centrada no psicadélico, nascida com os últimos hippies de Goa. Houve entretanto uma evolução a nível musical e também ao nível do conceito. Hoje pode dizer-se que o Boom não é um festival musical, é um festival de culturas que tem preocupações múltiplas, políticas, ligadas às questões da ecologia e dos modos de viver, dos sistemas alternativos, mantendo um foco muito grande no psicadélico. É desse ponto de vista que digo que não sou crente. Eu não sou crente em nada, sou desprovido da capacidade de ter fé."

Ao fim de várias edições - ainda neste ano Valter Vinagre voltou ao terreno, já com o livro pronto e novamente sem máquina fotográfica (cedeu-a ao filho e só lha pediu para fazer uma imagem) - sabe que quem vai para o Boom "acredita em algo alternativo, através da música ou não" e quer permanecer "fora da rotina". Assinala até que a maioria dos que lá vão tem uma rotina, ao contrário do que se pensa". Explica: "Estão ali desprovidos de preconceitos e pré-conceitos. Há uma grande liberdade individual e coletiva e uma consciência muito grande. Quando falo da questão da religiosidade tem muito que ver com isto. O que fiz nestes anos todos foi perguntar: por que fotografo neste espaço?"

Quanto à pergunta mais ampla - o que o leva a fotografar? -, Valter Vinagre responde: "A fotografia foi a maneira que encontrei de dizer o que não conseguia quando escrevia ou noutro tipo de artes - serigrafia, teatro, canto, um cineclube para chegar ao cinema. Havia um momento em que as coisas se esgotavam, tornavam-se demasiado fechadas em si mesmas. Qual é a ferramenta que vou usar para continuar a dizer algo que valha a pena na sociedade onde estamos? A fotografia, claro."

E ficou nesse território: "Não me vejo sem fotografar, e sobretudo sem fotografar neste país."

Sob o Signo da Lua contem 104 fotografias, escolhidas entre mais de 1600 imagens acumuladas por Valter Vinagre, 64 anos, nascido em Avelãs de Cima, Anadia. A primeira seleção abarcava mais de 400 e o resultado final foi alvo de sucessivas seleções, debates, num ir e vir de sugestões entre autor e editor - André Tavares, da Dafne, uma editora dedicada à arquitetura.

Neste caso, não é de arquitetura que se fala, embora a ideia de construção, de construções, tenha estado sempre presente. Um dos textos que dão sentido à sequência de imagens é do arquiteto Joaquim Moreno. "O festival relaciona-se com a arquitetura, quer na construção das estruturas quer no que movimenta em torno disso", segundo Valter Vinagre. Este é um texto que, segundo o fotógrafo, "situa o livro dentro do livro", ao explicar a estrutura inspirada na obra renascentista Hypnerotomachia Poliphili, datada de 1499 - um raro incunábulo considerado fundamental na história do design gráfico.

Neste que é o livro "vigésimo e tal", conta ainda com um texto do ensaísta António Guerreiro "pelo lado filosófico, pelo que ele representa e pensa, pelo enorme respeito que tenho por ele, pela maneira como coloca as questões, pela maneira como ele se aproxima do lado mais íntimo da sociedade, quase religioso". Porque, afinal, "se pensarmos as coisas por dentro chegamos a interrogações sobre a sociedade, sobre a nossa maneira de ser e de estar. O texto de Guerreiro "parte das imagens para entrar no universo do festival".

Valter Vinagre estudou em Avelãs de Cima e veio a oferecer-se como voluntário para a Marinha de Guerra, tendo vivido aí o período da descolonização. Fez o ensino secundário à noite e inscreveu-se num curso de Sociologia, mas diz que não o levou a sério. Cruzou-se com Agostinho da Silva - que teve nele grande influência - e ao longo da vida foi fazendo formação nas áreas que o interessavam. Assim, fez fotografia na Ar.Co em 1986-89. Fixou-se durante 30 anos nas Caldas da Rainha e começou a trabalhar na câmara local como varredor de ruas, tendo passado para o setor do turismo e depois para a cultura, onde coordenou todas as atividades, até que se reformou. Agora vive entre Idanha-a-Nova e Lisboa. "Pairo por todo o lado."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".