Mais de um quinto do emprego criado é a prazo ou muito precário

Num ano, até ao segundo trimestre, a economia criou 133 mil empregos por conta de outrem, em termos líquidos. Destes, quase 29 mil são "temporários", diz o Eurostat.

O desemprego está a cair, mas os níveis de precariedade não dão sinais de estar a recuar. De acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), no final do segundo trimestre havia 755,5 mil pessoas com contratos a prazo e mais 142 mil com outro tipo de vínculos ainda mais precários. São 898 mil trabalhadores, 22,1% do total dos empregados.

A economia portuguesa conseguiu criar 133,5 mil empregos por conta de outrem entre o segundo trimestre de 2017 e igual período deste ano, dos quais 28,5 mil eram vínculos com termo e "outras situações". Ou seja, um quinto do emprego criado ainda pode ser considerado mais precário.

As chamadas "outras situações" configuram "contratos de prestação de serviço (recibos verdes); trabalhos sazonais sem contrato escrito; trabalhos pontuais ou ocasionais", segundo o INE.

OS 898 mil casos registados são o terceiro maior valor das várias séries do INE recolhidas pelo DN/Dinheiro Vivo. O recorde aconteceu há dez anos, no segundo trimestre de 2008, quando se registaram 902 mil indivíduos com vínculos mais frágeis. O segundo maior valor acontece no terceiro trimestre do ano passado (899 mil casos).

O aumento de 3,3% deste grupo de trabalhadores foi explicado sobretudo pela subida relativamente forte no número de contratos a prazo. O INE mostra que, no final de junho último, estavam nessas condições mais de 755 mil pessoas, uma subida de 4% face há exatamente um ano. Este é o segundo maior valor de que há registo. Mais só no terceiro trimestre do ano passado: 763 mil casos.

O grupo dos muito precários subiu apenas ligeiramente, cerca de 0,6% em termos homólogos, para os referidos 142 mil.

Portugal, o pior a seguir a Polónia e Espanha

No entanto, em termos europeus, Portugal compara mal. O Eurostat indicou ontem que o país aparece com a segunda maior taxa de incidência de "trabalho temporário" na União Europeia, o conceito que agrega os tais vínculos com termo e as outras situações.

Numa análise à população empregada na casa dos 20 aos 64 anos, os economistas do Eurostat dizem que "a possibilidade de encontrar um trabalho com vínculo permanente diminuiu ligeiramente entre 2002 e 2017, à medida que a proporção de empregados temporários aumentou de 11% em 2002 para 13% em 2017".

Este fenómeno, que é um espelho da precariedade, é quase o dobro em Portugal quando se compara com a média europeia.

"A proporção de emprego temporário varia entre os Estados membros, com os níveis mais elevados a serem observados na Polónia e em Espanha (ambos com 26%), Portugal (22%) e Croácia (20%)." Os níveis mais baixos foram registados na Roménia (1%), na Lituânia (2%) e Estónia e Letónia (ambos com 3%).

Alargando a faixa etária para os 15 a 74 anos, o quadro pouco se altera. Espanha é o país com maior nível de precariedade (26,7%), a Polónia vem em segundo (26,2%) e em terceiro surge Portugal (na mesma com 22%).

Em termos históricos, em Portugal, constata-se que desde 2006 que esta taxa não cai abaixo da fasquia dos 20%, embora tenho aliviado ligeiramente em 2017. Era 22,3% em 2016. No entanto, este fenómeno tem atualmente o dobro da intensidade que tinha em meados dos anos 1990, altura em que rondava os 10%.

Entretanto, o governo avançou com um pacote legislativo para tentar combater a precariedade e o excesso de rotatividade de alguns segmentos da população, na sequência de um acordo social assinado pelos patrões e a UGT.

O pacote passou no Parlamento em julho (votação na generalidade), mas em setembro será revisitado na especialidade para ser "melhorado" e incorporar, eventualmente, algumas propostas dos partidos à esquerda e tentar fazer alguns acertos para ir ao encontro de mais algumas reivindicações dos empregadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.