Mais de um quinto do emprego criado é a prazo ou muito precário

Num ano, até ao segundo trimestre, a economia criou 133 mil empregos por conta de outrem, em termos líquidos. Destes, quase 29 mil são "temporários", diz o Eurostat.

O desemprego está a cair, mas os níveis de precariedade não dão sinais de estar a recuar. De acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE), no final do segundo trimestre havia 755,5 mil pessoas com contratos a prazo e mais 142 mil com outro tipo de vínculos ainda mais precários. São 898 mil trabalhadores, 22,1% do total dos empregados.

A economia portuguesa conseguiu criar 133,5 mil empregos por conta de outrem entre o segundo trimestre de 2017 e igual período deste ano, dos quais 28,5 mil eram vínculos com termo e "outras situações". Ou seja, um quinto do emprego criado ainda pode ser considerado mais precário.

As chamadas "outras situações" configuram "contratos de prestação de serviço (recibos verdes); trabalhos sazonais sem contrato escrito; trabalhos pontuais ou ocasionais", segundo o INE.

OS 898 mil casos registados são o terceiro maior valor das várias séries do INE recolhidas pelo DN/Dinheiro Vivo. O recorde aconteceu há dez anos, no segundo trimestre de 2008, quando se registaram 902 mil indivíduos com vínculos mais frágeis. O segundo maior valor acontece no terceiro trimestre do ano passado (899 mil casos).

O aumento de 3,3% deste grupo de trabalhadores foi explicado sobretudo pela subida relativamente forte no número de contratos a prazo. O INE mostra que, no final de junho último, estavam nessas condições mais de 755 mil pessoas, uma subida de 4% face há exatamente um ano. Este é o segundo maior valor de que há registo. Mais só no terceiro trimestre do ano passado: 763 mil casos.

O grupo dos muito precários subiu apenas ligeiramente, cerca de 0,6% em termos homólogos, para os referidos 142 mil.

Portugal, o pior a seguir a Polónia e Espanha

No entanto, em termos europeus, Portugal compara mal. O Eurostat indicou ontem que o país aparece com a segunda maior taxa de incidência de "trabalho temporário" na União Europeia, o conceito que agrega os tais vínculos com termo e as outras situações.

Numa análise à população empregada na casa dos 20 aos 64 anos, os economistas do Eurostat dizem que "a possibilidade de encontrar um trabalho com vínculo permanente diminuiu ligeiramente entre 2002 e 2017, à medida que a proporção de empregados temporários aumentou de 11% em 2002 para 13% em 2017".

Este fenómeno, que é um espelho da precariedade, é quase o dobro em Portugal quando se compara com a média europeia.

"A proporção de emprego temporário varia entre os Estados membros, com os níveis mais elevados a serem observados na Polónia e em Espanha (ambos com 26%), Portugal (22%) e Croácia (20%)." Os níveis mais baixos foram registados na Roménia (1%), na Lituânia (2%) e Estónia e Letónia (ambos com 3%).

Alargando a faixa etária para os 15 a 74 anos, o quadro pouco se altera. Espanha é o país com maior nível de precariedade (26,7%), a Polónia vem em segundo (26,2%) e em terceiro surge Portugal (na mesma com 22%).

Em termos históricos, em Portugal, constata-se que desde 2006 que esta taxa não cai abaixo da fasquia dos 20%, embora tenho aliviado ligeiramente em 2017. Era 22,3% em 2016. No entanto, este fenómeno tem atualmente o dobro da intensidade que tinha em meados dos anos 1990, altura em que rondava os 10%.

Entretanto, o governo avançou com um pacote legislativo para tentar combater a precariedade e o excesso de rotatividade de alguns segmentos da população, na sequência de um acordo social assinado pelos patrões e a UGT.

O pacote passou no Parlamento em julho (votação na generalidade), mas em setembro será revisitado na especialidade para ser "melhorado" e incorporar, eventualmente, algumas propostas dos partidos à esquerda e tentar fazer alguns acertos para ir ao encontro de mais algumas reivindicações dos empregadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.