Portugal perde riqueza face ao euro desde entrada na moeda única

Banco de Portugal avisa que, sem medidas para aumentar a produtividade, não há grande margem para convergência com a zona euro.

Portugal está a convergir com a zona euro. Mas a um ritmo "muito gradual" e insuficiente para compensar os danos causados durante a crise económica. O Banco de Portugal prevê que o PIB per capita (riqueza por pessoa) fique próximo de 60% da média da zona euro em 2021, um valor mais baixo do que no início da união monetária.

Além de ser mais modesto do que a média do euro, Portugal tem perdido terreno no PIB per capita para os países que entraram mais recentemente na moeda única. Isto apesar de nos últimos anos ter havido crescimento económico, uma tendência que deverá manter-se. Mas a um ritmo mais lento.

A instituição liderada por Carlos Costa manteve as estimativas de crescimento para 2019 e para 2021 em 1,7% e 1,6%, respetivamente. Mas cortou em uma décima a projeção para 2020. Estima agora um crescimento de 1,6% nesse ano. "As atuais projeções apontam para a continuação do processo de expansão da economia portuguesa no período 2019-21, embora a um ritmo inferior ao observado nos últimos anos", indica o Banco de Portugal no Boletim Económico, divulgado nesta quarta-feira.

Ainda assim, a instituição liderada por Carlos Costa antecipa "crescimentos na economia portuguesa ligeiramente superiores, em média, às estimativas disponíveis para a área do euro". No entanto, em 2021 "o PIB per capita em Portugal continuará a situar-se próximo de 60% da média do PIB per capita da área do euro, valor ligeiramente inferior ao observado no início da união monetária".

Banco de Portugal sugere medidas para aumentar produtividade

O Banco de Portugal avisa que o produto potencial (valor da riqueza do país caso fossem utilizados todos os recursos disponíveis) não permite grandes aproximações à média do euro. Até 2021 "o produto potencial na economia portuguesa deverá crescer em torno de 1,6%. Este crescimento é próximo das estimativas disponíveis para a área do euro, o que não permite antecipar progressos significativos na convergência real a médio prazo", dizem os economistas do Banco de Portugal.

O regulador pede que se criem condições "que promovam o aumento da produtividade, através de uma melhor afetação de recursos, do bom funcionamento dos mercados do produto e de trabalho e da aposta no capital humano e na inovação". Além disso, avisa que é necessário adotar "medidas para mitigar o impacto macroeconómico da redução e do envelhecimento da população".

Considera ainda que só assim "será possível a aproximação aos níveis de rendimento médios europeus e assegurar a manutenção de um perfil ascendente do consumo privado e uma maior acumulação de capital, sem comprometer a necessária redução do endividamento dos vários setores da economia".

Balança comercial com primeiro défice desde 2012

Além de realçar que a economia vai ter um crescimento mais moderado, refere que a economia está a ser cada vez mais puxada pela procura interna em vez das exportações. "À semelhança do observado em 2018, ao longo do horizonte de projeção o contributo da procura interna para o crescimento do PIB será superior ao contributo das exportações. Este padrão de crescimento traduz-se num saldo negativo da balança de bens e serviços a partir de 2019, após um período relativamente longo de saldos positivos", refere a instituição.

O Banco de Portugal estima agora um saldo negativo na balança de bens e serviços de 0,5% do PIB. Nas projeções de março previa um excedente de 0,2% e que o desequilíbrio da balança surgisse apenas a partir de 2020. Já a balança corrente e de capital deverá deixar de acumular excedentes.

"O excedente da balança corrente e de capital, após um período em que se situou em torno de 1,4% do PIB, reduziu-se para 0,4% do PIB em 2018, e antecipa-se uma diminuição para 0,2% do PIB em 2021." A instituição avisa que "esta evolução exige uma atenção particular, uma vez que o endividamento externo da economia portuguesa permanece num nível elevado e constitui uma das suas principais vulnerabilidades latentes".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.