Premium HEXA: o robô-aranha que cuida das suas plantas

Este robô híbrido sabe quando deve colocar a planta ao sol, escondê-la da exposição direta e até dança para avisar o utilizador de quando é preciso regá-la.

As plantas precisam de sol e água para crescer, mas como estão presas à terra pelas raízes não têm mobilidade para procurar aquilo que as mantém vivas. Foi esta a ideia base para criar o HEXA, um robô com seis patas, semelhante a uma aranha, que tem como única tarefa cuidar da planta que transporta na "cabeça". Para isso, move-se em direção ao sol quando é necessário e retira-se para a sombra se os níveis de exposição solar se tornarem excessivos.

Conforme refere o site The Verge, o HEXA é um robô híbrido, que não só cuida das plantas como também "brinca" com os seres humanos, fazendo uma pequena dança quando não tem água. Este mini robô foi criado por Sun Tiangi, um empresário e especialista em robótica, que lidera a empresa Vincross.

"Com uma base móvel robô, as plantas conseguem obter mobilidade e interacção", disse Tianqi ao The Verge. Sendo quase um "vaso inteligente com pernas", o HEXA é ideal para pessoas que não tenham disponibilidade para estar em casa a tempo e horas de cuidar das suas plantas e abre caminho para novas criações, como robôs de maiores dimensões, capazes de plantar flores ou vegetais, o que tornaria a jardinagem e agricultura num processo muito mais fácil para os humanos.

Tiangi obteve inspiração para criar o HEXA depois de ver um girassol sem vida numa exposição, no escuro. O especialista em robótica considera as plantas "eternamente e inexplicavelmente passivas": "Podem cortá-las, queimá-las ou arrancá-las da terra e elas não fazem nada. Da mesma maneira que os humanos aprenderam a andar de bicicleta, comboio ou avião, esta tecnologia dá ás plantas também uma nova forma de liberdade", refere Tiangi. O empresário espera com este robô criar um elo de ligação entre a tecnologia e a natureza.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)