Um líder europeu

Donald Tusk não devia ter sido escolhido para presidente do Conselho contra a vontade do seu governo (em 2017), e não devia falar de política nacional quando ainda preside ao Conselho, mas ainda bem que foi e que o faz.

A Europa precisa de quem a explique e defenda, e Tusk está disposto a fazê-lo onde é difícil e importante. Além disso, tem uma história que o define e um discurso que é mais do que banalidades ou vulgaridades. Se, assim, reconquistar a Polónia, nas presidenciais de 2020 (e a Europa de Leste, por caminho), pode ser o começo da nova reunificação europeia. Pelo menos há esperança.

Donald Tusk nasceu na Polónia há 61 anos, fez política na oposição ao regime comunista, passou fugazmente pela prisão, e depois da queda do Muro e de tudo o que se seguiu acreditou nas virtudes da economia de mercado, manteve uma relação estreita com a América, tendo tido, enquanto foi primeiro-ministro da Polónia, Radoslaw Sirkoski (também conhecido por ser casado com a historiadora e jornalista americana Anne Applebaum) como ministro dos Negócios Estrangeiros e, assim, ajudou a construir uma democracia liberal para lá da antiga cortina de ferro. Tusk é o político da Europa de Leste que corresponde ao ideal: europeísta, ocidentalista, democrata, liberal.

Tusk é o político da Europa de Leste que corresponde ao ideal: europeísta, ocidentalista, democrata, liberal.

Na semana passada, no congresso do Partido Popular Europeu, em Helsínquia, em linha com o que tem feito nos últimos tempos, foi claro e incisivo. Ao mesmo tempo que, a propósito das migrações, reconheceu que "as pessoas valorizam a liberdade e a abertura somente enquanto se sentem seguras", disse que "se é contra o Estado de direito e a independência do poder judiciário (...), se não gosta da imprensa livre e das ONG, se tolera a homofobia, o nacionalismo e o antissemitismo (...), se coloca o Estado-Nação contra ou acima da liberdade e da dignidade de um indivíduo (...), se deseja conflito e divisões globalmente e dentro da União Europeia, se apoiar Putin e atacar a Ucrânia, se é a favor do agressor e contra a vítima (...), se quer substituir o modelo ocidental da democracia liberal por um modelo oriental de democrata autoritário, não é democrata-cristão".

Tusk falava contra Orbán e a sua permanência no PPE, evidentemente, mas a mensagem serve para todos os que, a leste e não só, acompanham este discurso. E, ainda que a matriz do PPE seja a democracia cristã, é óbvio que falava, também, como conservador liberal que é. Dias depois, numa manifestação em Łódź, na Polónia, disse que "os que falam com entusiasmo do brexit e do isolacionismo americano e que elogiam o presidente Putin são os que inevitavelmente colocarão a independência da Polónia (e da Europa, acrescento eu) em risco".

Sem medo de que a direita radical lhe chame moderado colaboracionista com a esquerda, e que a esquerda radical o acuse de ser securitário, em Bruxelas há um político inspirador. Fora da política, poucos saberão quem é, e mesmo aí poucos se lhe referem com o entusiasmo devido. Fazem mal. A Europa tem um político com perfil de líder: Donald Tusk. E, além do mais, tem sentido de humor.

Especialista em assuntos europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.