Vem aí o 'halving'. Corte da recompensa para metade promete agitar bitcoins

A partir desta terça-feira, a recompensa da bitcoin será reduzida para metade. O fenómeno, com o nome halving, é há muito esperado pelos entusiastas das criptomoedas, já que, nas duas últimas vezes, seguiram-se meses de valorização desta moeda.

Há muito que quem acompanha o mercado das criptomoedas está atento ao fenómeno programado de halving da bitcoin, que acontece a sensivelmente a cada quatro anos. O halving, que reduz para metade a remuneração oferecida a quem minera criptomoedas (processo em que os computadores resolvem complexas transações matemáticas para gerar novas bitcoin), é algo que está na base da criação desta que é uma das criptomoedas mais conhecidas do mundo, com o efeito de ajuste de mercado.

"O inventor da bitcoin, Satoshi Nakamoto, decidiu que só poderiam existir 21 milhões de bitcoins e que o seu aparecimento seria gradual", explica Nuno Mello, diretor comercial da XTB. "Deste modo, novas bitcoins são dadas, sob a forma de recompensa, aos chamados "mineradores" (empresas ou particulares que põem a capacidade de processamento dos seus computadores ao serviço da blockchain [cadeia de blocos]), que conseguirem resolver o algoritmo que permita que o novo bloco seja anexado à rede de forma criptografada".

"Cada um destes blocos possui informação sobre o bloco anterior, a data exata em que foi minerado e informação sobre as transações efetuadas. Os blocos são adicionados à rede a cada dez minutos, em média, e cada bloco recompensa o minerador com 12,5 novas bitcoins atualmente. Feitas as contas são minerados aproximadamente 144 blocos por dia, ou seja, são adicionadas 1800 novas bitcoins a cada dia (uma taxa de crescimento de 3,9%)".

Ao chegar ao bloco 630 mil, algo que aconteceu algures entre o final desta segunda-feira e início de hoje, terça-feira, a recompensa passou das 12,5 para 6,25 bitcoins por bloco. A bitcoin continuará com este fenómeno de redução da remuneração a metade até que seja atingido um valor zero, que os especialistas estimam possa acontecer em 2140.

No entanto, este halving tem um "sabor" diferente: é a primeira redução programada desde o pico histórico de uma bitcoin a valer 19 mil dólares, em 2017, e já com a criptomoeda com uma escala de adoção global.

Meses de valorização a seguir ao halving

Com a bitcoin já abaixo dos dez mil dólares (atualmente uma bitcoin equivale a 8225 euros), a teoria económica da oferta e procura sugere que os próximos meses sejam de aumento do valor da criptomoeda, tendo em conta o historial. Mas não há uma opinião unânime sobre a rapidez desta subida ou sequer se se repetirão os valores das últimas reduções programadas.

O histórico mostra que nos últimos dois halvenings da bitcoin - o primeiro em novembro de 2011 e o segundo em 2016 - foram seguidos por períodos de elevada escalada do valor da criptomoeda. Na primeira data, a recompensa passou das 50 para 25 bitcoins e de 25 para 12,5, no segundo período. O diretor comercial da XTB refere que os meses seguintes representaram bull markets fortíssimos", com uma "valorização da bitcoin de 50 162%" em 2011 e de "9054% em 2016". Alguns meses depois do segundo halving, a criptomoeda acabaria mesmo por chegar ao máximo histórico de 19 499 dólares, em dezembro de 2017.

Este ano, a bitcoin tem sofrido várias oscilações: em fevereiro, regressou a um valor perto dos 10 mil dólares, para logo a seguir derrapar até um valor a rondar os cinco mil dólares, já em março. Ao longo do último mês, a criptomoeda tem vindo a ganhar terreno, estando agora acima dos 8 mil dólares.

Outra lição que os dois últimos halvenings mostram é que este comportamento de perda e de recuperação também tem acontecido historicamente. Citando dados da Pantera Capital, a agência Bloomberg nota que o valor da bitcoin tem caído nos 459 dias antes do halving, feito um processo de recuperação até ao evento e conquistado ganhos nos 446 dias a seguir à redução programada.

Também a pandemia de covid-19 poderá ter um efeito neste comportamento da bitcoin, refere a Bloomberg. Com várias operações de mineração afetadas pelas condições atuais do mercado, a reação do mercado da bitcoin poderá ter um comportamento mais imprevisível.

jornalista do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG