EDP Distribuição investe mais 230 milhões até 2022 em contadores e redes inteligentes

A empresa garante que 70% do consumo de energia já é recolhido por telecontagem. No entanto, apenas um terço dos consumidores domésticos têm estes equipamentos e muitos não comunicam ainda com a rede.

A EDP Distribuição já investiu, até dezembro de 2018, cerca de 550 milhões de euros em redes inteligentes de distribuição de eletricidade em Portugal. E a expectativa do operador de redes é investir mais 230 milhões de euros até 2022, garantiu ao DN/Dinheiro Vivo fonte oficial da empresa. No total, são quase 800 milhões de euros para modernizar uma rede na qual "atualmente já 70% do consumo de energia é recolhido por telecontagem", ou seja, remotamente.

"Todos os clientes empresariais alimentados em alta, média e baixa tensão especial, bem como todos os circuitos de iluminação pública (cerca de 60 mil), já têm instalados estes novos equipamentos. No caso dos clientes residenciais, a EDP Distribuição instalou até à data mais de dois milhões de Energy Box", refere a mesma fonte oficial. A manter-se a cadência atual, garante a empresa, em 2025 a totalidade da base de consumidores domésticos de energia no país (cerca de seis milhões) poderá estar abrangida por contadores inteligentes.

A menos de seis anos de distância desta meta, hoje apenas um terço dos consumidores residenciais têm ao seu dispor a nova geração de contadores digitais (por oposição aos antigos, analógicos). Falta ainda a instalação de cerca de quatro milhões de contadores inteligentes em Portugal (os restantes dois terços).

Ainda que ambiciosas, as metas da EDP Distribuição já derraparam pelo menos três anos. Isto porque em março de 2018 o presidente da empresa, João Torres, garantia ao DN/Dinheiro Vivo a ambição de até 2022, no máximo, ter 100% dos consumidores de eletricidade abrangidos. Nessa altura a EDP Distribuição estava a instalar, em média, dez mil novos contadores por semana.

"A instalação deste tipo de equipamentos e infraestruturas requer um grande esforço de investimento à EDP Distribuição, pelo que a cadência de instalação pode ser influenciada pelos incentivos para a construção de redes inteligentes em Portugal", disse fonte oficial, fazendo um novo ponto de situação. Do plano de digitalização em curso no Grupo EDP - 800 milhões até 2022 -, "cerca de 280 milhões de euros serão direcionados para as redes inteligentes", que incluem os contadores inteligentes e toda a infraestrutura de suporte, nomeadamente a nível de comando de rede e telecomunicações.

Atualmente já 70% do consumo de energia é recolhido por telecontagem

Tão importante como instalar milhões de contadores inteligentes é pô-los a comunicar autonomamente com a rede e a enviar dados e leituras dos consumos, o que em muitos casos ainda não acontece. A EDP Distribuição explica porquê: "Os contadores inteligentes usam uma tecnologia de comunicação (PLC) que requer a existência de uma infraestrutura para recolha de dados e um número mínimo de Energy Box ligadas. Só quando estão reunidas estas condições é que se consegue extrair todo o potencial destes equipamentos."

Mas o ritmo está a acelerar e muitos portugueses estão já a receber mensagens deste género: "A EDP Distribuição informa que as leituras da instalação em [...] passarão a ser recolhidas remotamente. Os serviços alteração de potência, alteração de ciclo e ligar (ou desligar) a instalação também serão remotos." Desde o início de 2019, confirma a EDP Distribuição, "já foram enviados mais de 80 mil sms, distribuídos por todos os concelhos do país".

"Sempre que reúne as condições para, de forma continuada, recolher informação remota das Energy Box, a EDP Distribuição informa os respetivos consumidores. Fá-lo habitualmente por carta, podendo também fazê-lo através de sms. Quando é garantida esta comunicação remota, o consumidor passa a ter acesso a serviços remotos, como leituras automáticas, perfil de consumo e eficiência energética e alterações contratuais", refere fonte oficial.

Já os comercializadores passam a poder oferecer novos serviços, tais como tarifários avançados e ofertas integradas com microssistemas de produção e mobilidade elétrica. Por fim, a EDP Distribuição consegue, através da informação recolhida nos vários pontos de rede e nos vários níveis de tensão, dispor de dados para um planeamento, manutenção e operação de rede, mais eficaz.

Tendo em conta que a área das redes inteligentes é muito vasta, a EDP Distribuição tem um conjunto de parceiros que colaboram com a empresa a nível dos equipamentos, da infraestrutura tecnológica, da segurança da rede e ainda da gestão de dados. "A EDP Distribuição confirma que possui projetos com a Schneider Eletric na implementação de sistemas de telecomando da rede de média tensão e com a Axians num projeto da rede de comunicações."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG