DN+ Engenheiro da Google: "Resolvemos a maioria dos problemas de wi-fi"

A empresa norte-americana lança agora em Portugal o novo Google Wi-Fi e falámos com Alex King, engenheiro de software, sobre as promessas do aparelho para as casas portuguesas.

É um dos problemas mais comuns nas casas do mundo inteiro: falhas no wi-fi. Numa casa de pessoas que gostam de estar ligadas à internet, é uma das coisas mais frustrantes não conseguir ver as redes sociais no smartphone numa zona da casa com pior cobertura; ou simplesmente ter a internet demasiado lenta a certa altura o que prejudica o streaming no YouTube ou Netflix, o trabalho no computador.

Alex King foi um dos membros da equipa da Google determinada em acabar com os problemas de wi-fi nas residências. Falámos com ele através da aplicação de conversação da Google, Hangouts, em que Alex nos explicou o seu trabalho dos últimos três anos. "Passámos três anos a tentar analisar os comportamentos e os motivos das falhas do wi-fi na maioria das casas. O resultado? A sua equipa percebeu que muitas pessoas escondem os seus routers por serem feios ou terem antenas que não são muito práticas."

"Tradicionalmente, os routers não foram desenhados para as pessoas, não são práticos e por isso é que muita gente os esconde, o que é contraproducente", indica o responsável. Daí que o Google Wi-Fi não pareça um router tradicional e não tenha antenas nem muitas luzes. "Queríamos ser conscientes e usar o mínimo de cabos possível", explica Alex King. Além da vantagem de ser mais prático e poder estar menos escondido, o hardware que a Google usou "também é muito poderoso", com "três antenas internas espalhadas e, como é circular, tem uma cobertura de 360 graus", o que contrasta "com muitos routers complexos que existem no mercado".

Gerir automaticamente a melhor banda

Outra das vantagens do router da Google, para este engenheiro há sete anos na empresa, é o chamado Network Assist, que mais não é do que a gestão automática da seleção de canais. Quando configuramos o wi-fi lá de casa, é normal escolher-se um canal, mas há ocasiões onde o outro canal é mais rápido e, neste caso, o sistema da Google muda automaticamente para o mais rápido.

A Google também se compromete a fazer atualizações de software frequentes do router. Além do mais, quem tenha conta Google fica com registo automático na rede de wi-fi lá de casa e pode partilhar a internet com quem quiser através da aplicação Google Wi-Fi (disponível em iOS e Android) e sem necessidade de passwords - basta selecionar os dispositivos que permite acederem à internet.

Já relativamente a números factuais de melhorias face aos routers tradicionais, o engenheiro da Google diz que há mesmo melhores resultados, mas é difícil de quantificar. "Depende muito dos materiais de construção da casa e também há outros fatores." Certo é que a Google promete que um único módulo do Google Wi-Fi serve casas até 140 metros quadrados de área (custa 139 euros) e a opção com três módulos que garantem uma cobertura até 420 metros quadrados (359 euros).

Como instalar?

O engenheiro de software da Google destacou também as potencialidades do sistema da Google a nível da aplicação, que é também onde instalamos o sistema.

Depois de ligar o aparelho ao modem fornecido pelo ISP (Internet Service Provider) contratado (se tiver um router associado é melhor desligar mesmo a função de router, para não complicar), basta seguir os passos na aplicação: criar um nome e password (pode verificar logo todos os aparelhos que estão ligados e a quantidade de dados consumidos por cada um); pode configurar também o Family Wi-Fi; ou fazer ações como o Network Check, onde pode testar a velocidade da ligação ou, ao selecionar o Priority Devide, pode dar prioridade de internet a um aparelho específico - é bem útil em caso de streaming de vídeos, por exemplo.

No caso do Family Wi-Fi, a app permite agrupar aparelhos, por exemplo, utilizados pelas crianças lá de casa. Neste contexto, permite ainda parar momentaneamente o uso de internet nesses aparelhos selecionados ou definir um horário de uso - os pais podem, assim, pausar a internet todas as noites nos aparelhos dos filhos.

Também é possível selecionar o chamado SafeSearch, uma modalidade para restringir pesquisa de conteúdo adulto, a partir da própria app para determinados aparelhos.

Alex King explicou também sentir-se satisfeito com o resultado final dos três anos de pesquisa e desenvolvimento desta solução. "Há cada vez mais gente e aparelhos a precisar de internet e o wi-fi é daquelas coisas em que não se pensa muito até parar de funcionar", explica o responsável, que admite satisfação pelo "bom trabalho": "Foi bom resolver parte desse problema."

A Google tem mesmo algumas parcerias com fornecedores de internet locais, de forma a fornecer logo o seu router aos clientes de um serviço de ISP, mas "nesta altura ainda não temos acordos em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.