Premium Aconteceu em 1974 - O discurso pela liberdade política em Portugal e a independência da Guiné

Spínola tinha falado ao país para dizer que o socialismo não podia ser uma imposição. A independência da Guiné-Bissau tinha sido confirmada oficialmente.

Em setembro de 1974, Portugal vivia o período conturbado em que se procurava estabelecer as bases de um Estado democrático, com a reforma política no país e a independência das antigas colónias a dominar. O Diário de Notícias destacava em manchete que o "Povo português tem o direito de exigir que seja mantida intacta a sua liberdade de opção política". A frase pertencia ao Presidente da República António de Spínola, cargo que deixaria no final daquele mês.

"Há que reconhecer, sem margem de dúvida, que as sociedades políticas modernas têm evoluído num sentido de raiz socialista; mas o socialismo não pode entender-se como construído à custa da liberdade e dignidade humanas", afirmava Spínola na mensagem ao país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.