Premium Falemos de forcas

Só no distrito de Portalegre existiram trinta e sete forcas - imagine-se o resto do país inteiro.

Sim, falemos de forcas. Só no distrito de Portalegre foram identificadas trinta e sete forcas por Jorge de Oliveira e Ana Cristina Tomás, num interessantíssimo trabalho publicado há um par de anos. No Porto, a forca ficava no Campo das Malvas, onde hoje está a Torre dos Clérigos, e daí a expressão "mandar às malvas" ou "ir para as malvas", indício de um destino aziago. No Alentejo, segundo aqueles historiadores, os mais idosos ainda sabem dizer com exactidão onde se localizam as antigas forcas das suas terras e, quando interpelados, logo se põem a contar histórias sobre elas; já os mais novos confundem com frequência as forcas e os pelourinhos, que são coisa bem diferente.

Das trinta e sete forcas localizadas em Portalegre, apenas três se conservam hoje de pé, e já muito arruinadas. Geralmente feitas de madeira, muito poucas de pedra e alvenaria, quase todas ficavam no cimo de um monte, para que o simbolismo do seu poder fosse visto à distância, incutindo temor e respeito (não por acaso, as da raia estavam viradas para Espanha, em sinal de soberania). Daí ser frequente o nome "Outeiro da Forca", que encontramos em Alegrete, Arronches, Arez, Castelo de Vide, Galveias, Marvão, Monforte, Nisa, Ouguela, Tolosa ou Portalegre. Diz-se que a construção de forcas em elevações de terreno, além de uma afirmação de poder, visava aludir, ainda que veladamente, ao Gólgota, o outeiro das caveiras de Jerusalém onde Cristo fora crucificado; na narrativa bíblica, o Monte das Oliveiras simbolizava a paz e o Gólgota a justiça. Em Alpalhão a forca ficava num local antes chamado Cemitério dos Burros, a de Campo Maior estava num outeiro que hoje designam por Cabeça Gorda, havendo ainda o Cabeço da Forca (no Crato ou em Fronteira), a Horta dos Enforcados e a Porta dos Enforcados (em Elvas) e a Tapada da Forca (no Cano e em Seda). Também Olivença, que já foi nossa, tem um Cerro de la Horca, e em Tolosa lá está a Rua da Forca. Em Monforte, a forca situava-se nas imediações da Fonte do Pensamento, o que deu ensejo a uma sugestiva quadra: "Ó Fonte do Pensamento / tens a forca mesmo ao fundo, / muita gente morre à sede / de justiça neste mundo." Nos locais onde se erguiam as forcas existem hoje marcos geodésicos, postos de alta tensão, antenas de telemóveis, campos de tiro, vivendas ladrilhadas a preceito. Pouco resta da memória desse pretérito imperfeito, se exceptuarmos as lendas que rodeiam algumas forcas e que os mais idosos preservam por tradição oral, como sucede em Cabeço de Vide. Em Nisa, uma singularidade bizarra: no local onde antes se erguia a forca existiu até há poucos anos um velho sobreiro, sendo aí que se suicidavam muitos dos habitantes da terra que quiseram pôr termo à vida. Em Montargil, quando se construiu uma urbanização no lugar onde outrora ficava a forca encontraram-se várias ossadas humanas, possivelmente enterradas por santa misericórdia. A Procissão dos Ossos, na verdade, era tradição antiga: a cada ano, no Dia de Todos os Santos, os irmãos das misericórdias recolhiam os cadáveres dependurados das forcas e davam-lhes sepultura cristã. No longínquo Brasil - na Bahia, para sermos mais precisos -, o padre António Vieira haveria de proferir em 1637 o Sermão ao Enterro dos Ossos dos Enforcados. Na magnífica expressão de Vieira, os cadáveres dos justiçados eram "despojos de justiça, troféus da misericórdia", pois que "vivos foram levados pela justiça ao lugar infame do suplício, e mortos são trazidos pela misericórdia. Ali pagaram o que mereciam os delitos, aqui recebem o que se deve à humanidade".

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG