O futebol não é para ser tratado com os pés

God, mais conhecido por my God! nos seus templos modernos (chamados estádios), existe, é anglo-saxão, humorista e inventou o futebol. Este, aliás, é inglês até dizer chega - ou o leitor chama-lhe pedibol? Vem de foot, não do português pé. E é justamente chamado football, ou futebol, porque é desporto que nunca pode ser jogado com os pés.

Tanto é assim que o maior messias dessa convicção religiosa se chama Messi e só tem pé esquerdo. O outro é cego e, por fanatismo, nunca toca na bola. Football, de pé mais bola; não feetball, de pés mais bola. Ainda bem que assim é, senão chamar-se-ia "fitebol" nas terras de Garrincha e de Cristiano Ronaldo e "fítbol" na terra do já citado Messi. Fitebol seria ciciado, pouco varonil e nunca chegaria ao êxito planetário a que estava destinado.

Isto está tudo ligado desde que o Universo - então chamado Football Association - foi criado em Londres na Freemason's Tavern, a 26 de outubro de 1863, uma segunda-feira. Desde aí, o futebol joga-se todos os dias da semana (terças, quartas e quintas nas taças europeias, e fins de semana nos campeonatos nacionais) e quase nunca à segunda que é o dia do my God! descansar nos estádios.

A Freemason's Tavern era um lugar público que por ser maçónico tinha os seus símbolos expostos: da letra "G", que é o sinal do Divino Geómetra, ao olho dentro de um triângulo, que é a imagem do Olho da Providência. Eis como uma fundação contemporânea do DN inicial, tão antiga, já previa nos tempos vitorianos os dias de hoje: o "G" de então representa hoje o símbolo do ritual mais louvado daquele culto: "Goooolo!!!" E o olho que vê tudo anunciava o moderno VAR... Como é que em 1863 se adivinhou tudo isso?

Como já eu disse, isto anda tudo ligado: a histórica taberna londrina onde se criou o futebol foi, décadas antes, a sala onde a Sociedade Antiescravatura britânica se reunia. A organização teve um papel fundamental na abolição da escravatura mundial, isto é, foi dali que se criou um dos pilares do mundo moderno.

Vejam esta sucessão de passes mágicos: a Anti-Slavery Society indignava-se em 1823; no mesmo local, 40 anos depois, a Football Association fundava-se; na década de 1960, o mulato Mário Coluna mostrava no relvado que o patrão de uma grande equipa europeia, o Benfica, era ele; e, nesta semana, um branquelas apanha-bolas pôs uma bola na bandeirola de canto, um mulato teve um rasgo de génio, fingiu que não fazia e fez, e um negro marcou golo. Havia ainda um alemão paternal com cara de Alex Ferguson e um egípcio em Ramadão que mostrava, no peito, a tática aos seus: "Nunca desistas." Se isto não é o mundo que nós queremos, qual é ele?

Oh, o golo 4, na Liverpool do outro quarteto fabuloso! Os fiéis puseram-se a rezar em uníssono como os apóstolos locais John, Paul, George e Ringo, descreviam em Penny Lane a sua cidade natal. My God! Tão lindo. Voltem a enumerar: um trabalhador braçal célere, um intelectual que pensa, um artesão que executa, um patrão que comanda e uma vedeta que não podendo atuar empurra os seus...

Quando as empresas (os países?) têm uma equipa que os galvaniza assim, respondem. Eu sei que não tenho o saber do treinador Jürgen Klopp, nem o dote de prestidigitação de Alexander-Arnold, nem a presteza do apanha-bolas Oakley Cannonier - football são eles - mas sei que me sentiria em association, se tivesse estado lá, nas bancadas do estádio Anfield. Com um sentimento de pertença.

Não com o desconforto de assistir a pobres diabos que, tendo sequestrado o futebol, por cá discutiam, nas televisões portuguesas, à hora daquele milagre em Liverpool, as alegadas traficâncias de clubes para chantagear árbitros e jogadores. Falavam de amantes de árbitros e de futebolistas insultados por analfabetos que tiravam a camisola para mostrar bíceps, os órgãos por onde raciocinam.

Comparem as duas imagens: o coro derreado de prazer em Anfield, o tão bom de estar numa glória coletiva e limpa, agradecendo a quem a construiu, os artistas; e, noutro estádio (com portistas, mas podia ser, e já foi, de forma similar, com benfiquistas e sportinguistas), os guinchos de um autodenominado Macaco, rodeado de seus iguais, a ousar pedir explicações a artistas. Com a técnica do telecomando é possível assistir às duas cenas em simultâneo.

De Liverpool, a meus ouvidos e meus olhos, chegavam-me razões para admiração. E, ao lado, à distância de um toque de telecomando, a vergonha de estúdios televisivos nacionais (não, não só o reles) entretidos com ascos que nos empequenam a alma. Em ambos os casos, aparentemente, o mesmo assunto: futebol. Mas que identificação absurda!

Recorro a um tema simples, belo, amado por tantos, para alertar sobre como podemos ser corrompidos por gente estúpida e má. Desta vez, não se trata de calcular o impacto orçamental de uma medida política, nem de saber que tipo de floresta devemos ter, desta vez não temos desculpa por nos enganarem. Falo de uma coisa que foi inventada para nos dar prazer e nós amamos. E trata-se que estamos a ser desapossados do futebol.

Ler mais

Exclusivos