48 concelhos deverão ficar sem estação dos CTT

Neste ano, 15 concelhos deverão perder estação de Correios, diz a Anacom. Regulador quer que os postos que substituam as estações cumpram os mesmos requisitos de serviço.

Pedrógão Grande, Gavião, Mondim de Basto ou Fornos de Algodres e, mais a sul, Óbidos, Aljustrel ou Arraiolos são alguns dos 33 concelhos que ficaram sem estação dos CTT em 2018. Nste ano é "expectável" que "no curto prazo" esse número suba para 48, deixando mais de 411 mil habitantes sem acesso a uma estação dos Correios, diz a Anacom. O operador postal já reagiu: garante estar em todos os concelhos do país e a cumprir com o contrato de concessão, que termina em 2020.

Até novembro do ano passado, como adiantou, em entrevista ao Dinheiro Vivo/TSF, Francisco Lacerda, o CEO, os CTT encerraram 53 lojas no âmbito do plano de reestruturação. E com isso mais de três dezenas de concelhos ficaram sem uma estação de Correios. Uma "situação nova em termos do serviço universal postal" e a razão "pela qual observamos uma situação de degradação na forma como o serviço postal está disponível para as populações", considera João Cadete Matos, presidente da Anacom.

Os encerramentos deverão continuar neste ano, levando a que 15,6% dos concelhos fiquem sem uma estação dos CTT, situação que afeta mais de 411 mil habitantes, sobretudo do interior do país, diz a Anacom. O regulador não revelou quais os 15 concelhos que vão ficar sem estação de Correios, com base na informação prestada em novembro pelos CTT, mas adianta que os mesmos são sobretudo do interior.

Na maioria dos casos, o operador postal substituiu as lojas próprias por postos de correio, passando os serviços postais a serem prestados por entidades externas, sobretudo juntas de freguesia. Por isso, os CTT não só garantem que "estão presentes em todos os concelhos do país", mantendo "pelo menos um Ponto CTT (loja ou posto de correio) em todos os concelhos", como esses pontos CTT prestam "todos os serviços previstos no contrato de concessão, incluindo a entrega de objetos avisados, e ainda o pagamento de vales de prestações sociais e de faturas, muitas vezes em horários alargados e com conveniência adicional para as populações". No final do ano passado, havia 2383 pontos CTT em todo o país, "um aumento de 66 desde a privatização em finais de 2013", realça o operador postal.

Em relação aos objetivos de densidade da rede postal, os CTT consideram mesmo que "cumprem todas as obrigações legais e contratuais a que estão vinculados".

Mas o regulador tece várias críticas aos postos de correio em que apenas 204, ou seja, 11% estão certificados. E se no litoral 16,2% dos postos são certificados, no interior esse valor cai para 5,3%. A Anacom quer ainda garantir que os postos de correio que venham a substituir as estações assegurem os mesmos requisitos de serviço, como a adoção de procedimentos de atendimento que minimizem os tempos de espera, que garantam a confidencialidade e a inviolabilidade dos envios postais e proteção de vida privada ou o cumprimento de horários. E deu 20 dias úteis aos CTT para apresentarem uma proposta que assegure essa uniformização dos serviços e que em cada concelho haja uma estação ou um posto de correio CTT.

A Anacom recomendou ainda que os CTT suspendam os encerramentos de estações. Mas, quando isso aconteça, haja um "prévio entendimento" com as entidades locais. Mais, em caso de encerramento, os CTT deverão informar a Anacom e os clientes com 20 dias de antecedência.

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.