Baterias de lítio ganham prémio Nobel da Química 2019

Os premiados são John B. Goodenough, M. Stanley Whittingham e Akira Yoshino. "O seu trabalho teve um impacto social enorme", diz a Academia sueca

"O premio Nobel da Química 2019 vai para um mundo recarregável", resumiu esta quarta-feira a Academia sueca, confirmando assim como vencedora uma das áreas que era uma das favoritas para o Nobel da Química este ano: o desenvolvimento das baterias de iões de lítio, que contêm a promessa de um mundo energeticamente mais verde.

Este é um piscar de olhos à nova era das energias renováveis e aos veículos elétricos que deverão em breve inundar o mercado, e também a confirmação de que o problema das alterações climáticas continua vivo, no topo da agenda internacional.

O anglo-americano Stanley Whittingham, de 78 anos, e antigo professor e investigador das universidades de Binghamton e do Estado de Nova Iorque, foi quem lançou o caminho nesta direção quando, nos anos de 1970, em plena crise do petróleo, se propôs desenvolver uma nova estratégia tecnológica que permitisse contornar a utilização dos combustíveis fósseis para produzir energia.

Whittingham virou-se então para materiais supercondutores e usou pela primeira vez uma bateria de lítiio, com elétrodos de novos materiais à base de titânio.

Na década seguinte, o norte-americano John Goodenough, da Universidade do Texas, hoje com 97 anos, demonstrou que o uso de elétrodos de um óxido de metal nesse tipo de bateria seria mais eficiente para a produção de energia.

Com base nessas investigações pioneiras dos dois americanos, o japonês Akira Yoshino, de 71 anos, professor e investigador da Universidade de Meijo, deu o passo seguinte e criou, em 1985, a primeira bateria de lítio comercializável, com iões de lítio, que era leve e que podia ser carregada inúmeras vezes sem se deteriorar.

Yoshino retirou das baterias o lítio puro, deixando iões de lítio, que são mais seguros. A comercialização deste tipo de baterias tornou-se realidade a partir de 1991.

"As baterias de iões de lítio revolucionaram as nossas vidas e são hoje usadas em tudo, desde telemóveis a computadores portáteis e veículos elétricos. Através do seu trabalho, os laureados deste ano em Química construíram os alicerces de uma sociedade sem fios e livre de combustíveis fósseis", justificou a Academia sueca.

Os três laureados vão partilhar o prémio no valor de nove milhões de coroas suecas (mais de 820 mil euros).

Na conferência de imprensa em que fez o anúncio dos três novos laureados, a Academia sueca admitiu que ainda não tinha conseguido contactar telefonicamente John Goodenough, a pessoa mais idosa de sempre a ganhar o Nobel.

Temporada Nobel prossegue

A temporada Nobel arrancou esta semana, na segunda-feira, com o anúncio dos laureados na Medicina - os americanos William G. Kaelin e Gregg Semenza, e o britânico Peter Ratcliffe - distinguidos pelos seus trabalhos sobre os mecanismos moleculares e genéticos que determinam a regulação dos níveis de oxigénio nas células do organismo.

Seguiu-se o Nobel da Física, anunciado esta terça-feira, que distinguiu os trabalhos em cosmologia sobre a radiação cósmica de fundo de James Peeble, e a revolução científica que constituiu a descoberta dos primeiros exoplanetas pelos suíços Michel Mayor e Didier Queloz, em 1995.

Os laureados deste ano na Química sucedem aos norte-americanos Frances H. Arnold e George P. Smith, e ao britânico Gregory P. Winter, distinguidos em 2018 por trabalhos que operaram uma "revolução" no laboratório, como lhe chamou o comité Nobel.

Os três cientistas puseram em prática os princípios da evolução para desenvolver novas proteínas que permitiram a produção, entre outros, de medicamentos vitais na área da saúde.

Frances Arnold, do California Institute of Technology, nos Estados Unidos, produziu em laboratório pela primeira vez a evolução dirigida de enzimas, ou seja, de proteínas que catalisam as reações químicas. Um trabalho seminal, publicado em 1993, que resultou em novas técnicas que hoje são rotineiras na produção de medicamentos e biocombustíveis.

George Smith foi distinguido pelo seu trabalho revolucionário de 1985, quando desenvolveu um novo método para levar vírus a infetar bactérias, processo que permitiu fazer evoluir novas proteínas. Na esteira dessa investigação, Gregory Winter levou o processo mais além e conseguiu criar pela primeira vez anticorpos que podem ser utilizados em novas terapias na medicina.

Esta quinta-feira serão conhecidos os dois premiados na área da Literatura, e sexta será a vez do Nobel da Paz. A 14 de outubro será conhecido o vencedor - ou vencedores - na área da Economia.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...