O que liga o surf adaptado às decisões sobre a Europa

A praia de Carcavelos foi a rampa de lançamento da campanha institucional para as eleições europeias, que promoveu um dia de surf para todos.

Uma pequena tabuleta ao fim da rampa para a praia de Carcavelos avisa para o estado de espírito: "Fábrica de sorrisos". O dia, que acordou cinzento e a chuvinhar, parecia desmentir essa hipótese. Mas não demorou muito para ver sorrisos, abraços, gargalhadas e gritos de alegria durante um dia de prática de surf adaptado, numa organização conjunta da Surfaddict -Associação Portuguesa de Surf Adaptado, do Gabinete do Parlamento Europeu e da representação da Comissão Europeia (CE) em Portugal.

Uma moto, um furo num pneu e um pinheiro formaram uma fatídica associação que aos 17 anos deixaram Luís Rodrigues paraplégico. Hoje, aos 55, faz questão de marcar presença em atividades desportivas e recreativas. "Tento ir ao máximo de eventos que posso", diz, enquanto espera pela vez.

Após a inscrição, há que vestir o fato e depois ser transportado para a água numa cadeira anfíbia. "Vais parecer o Super-Homem", brinca um dos voluntários, enquanto Luís se equipa de vermelho. E como é a experiência de estar no mar? "A sensação é fantástica. Estamos num elemento natural, onde conseguimos sentir uma liberdade que não é tão fácil nestas circunstâncias. O elemento água transmite-nos essa possibilidade, essa liberdade de sermos mais leves naturalmente e de conseguirmos usufruir de uma forma que é mais difícil noutras situações", explica.

Formada em 2012, a Associação Portuguesa de Surf Adaptado já levou para dentro de água mais de 1800 pessoas de todo o país. Se a missão da Surfaddict é "abrir o surf a todas as pessoas com deficiência", como diz o seu presidente, Nuno Vitorino, o principal objetivo é "a divulgação e a projeção das pessoas com deficiência, não só ao nível do desporto mas também da cidadania. Estamos a falar de tirar as pessoas de casa e trazê-las para a sociedade", conclui.

O antigo nadador paralímpico reconhece que os programas e as verbas de Bruxelas "têm muito peso". O surf adaptado é um exemplo de como uma política europeia pode mexer na vida das pessoas.

Capacitar todos como iguais

A representação da UE em Portugal assinalou o início da campanha institucional das eleições europeias com esta chamada de atenção. A quem se encontrava na praia distribuiu um folheto com informações sobre o tema, como a UE estar a elaborar um cartão de deficiência, ou o programa Erasmus+ financiar em 100% os estudantes.

Estas medidas resultam da Estratégia Europeia para a Deficiência 2010-2020. O programa tem como meta genérica "capacitar as pessoas com deficiência para que possam usufruir de todos os seus direitos e beneficiar plenamente da sua participação na sociedade e na economia europeias". Em concreto, a CE comprometeu-se a trabalhar em oito áreas. No caso do surf adaptado promove-se a participação ("tornar acessíveis as organizações e atividades desportivas, culturais e recreativas").

A UE adotou o programa em novembro de 2010, pouco antes de a Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência ter entrado em vigor. Todos os Estados membros ratificaram a convenção, que tem força de lei - à exceção da Rep. da Irlanda.

A estratégia tem como objetivo, por exemplo, subir a taxa de emprego dos cidadãos com deficiência para 75%, quando antes se situava em cerca de 50%, baixar os níveis do abandono escolar para menos de 10% e tirar 20 milhões dos cerca de 80 milhões de europeus com deficiência (número que em 2020 pode ascender a 120 milhões) da pobreza ou do risco de pobreza e exclusão.

Em 2017 foi publicado um relatório da CE de balanço dos primeiros cinco anos. Ouvidos representantes e associações, concluiu-se que as áreas onde os progressos menos se notaram foram o acesso ao emprego e a escolaridade; o maior progresso deu-se no campo das acessibilidades: 28% da estratégia tinha sido adotada.

Desta vez eu voto

A ação na praia de Carcavelos serviu também para publicitar o lançamento da página www.destavezeuvoto.eu. Feito ao nível europeu, o site foi criado com o objetivo de envolver os cidadãos, ao apelar para que estes se inscrevam e dessa forma sinalizem (em especial aos seus conhecidos) que estão interessados em participar no ato eleitoral que decorre de 23 a 26 de maio. Vão ser eleitos 705 deputados de 27 países - é a primeira votação para o Parlamento Europeu (PE) sem contar com o Reino Unido.

Mas estas eleições prometem ter outros pontos de interesse. É o caso da correlação de forças, tendo em conta os grupos políticos europeus e a erosão previsível de partidos no centro do espectro político nos países mais populosos e a possível ascensão de partidos nacionalistas, populistas e iliberais. A este fenómeno, que já vem de trás, junta-se uma novidade absoluta, os movimentos paneuropeus como o VOLT ou a Primavera Europeia. Para terem direito a formar um grupo novo no Parlamento Europeu, um movimento tem de obter um mínimo de 25 deputados eleitos em sete países diferentes.

Por outro lado, o presidente francês, Emmanuel Macron, quer elevar o seu movimento à escala europeia e agitar as águas ao constituir um "movimento progressista" até ao fim do ano. A República em Marcha ainda não decidiu se vai juntar-se a algum grupo político existente ou se irá participar na criação de um. Certo é que Macron não concorda com a fórmula para a escolha do presidente da Comissão. "Uma anomalia democrática", comentou o ex-porta-voz de Macron e atual secretário de Estado, Christophe Castaner. Segundo as regras que entraram em vigor em 2014, previstas no Tratado de Lisboa, o Conselho Europeu designa um candidato, a ser aprovado pelo PE, tendo em conta os resultados das europeias.

Cabeças-de-lista em Portugal

PSD

Não há nada de oficial que transpire no partido liderado por Rui Rio, mas é dado como certo que, caso Paulo Rangel deseje, o advogado e professor universitário portuense voltará a ser o número um das listas dos sociais-democratas, depois de 2009 e 2014 (aqui em conjunto com o CDS).

PS

António Costa disse há dias que quer uma lista paritária. A liderá-la deverá estar um peso-pesado socialista, a sair do leque formado pelo presidente do partido, Carlos César, da secretária-geral adjunta, Ana Catarina Mendes, e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. Está agendada uma convenção nacional, em janeiro, para aprovar a estratégia dos socialistas para as eleições.

CDS-PP

Em pleno agosto, o CDS optou por adiantar-se aos outros partidos e sinalizar, com cartazes, a sua escolha para cabeça-de-lista. A decisão tinha sido anunciada por Assunção Cristas no congresso do partido, em março. Cabeça-de-lista em 2009, Nuno Melo foi o único eurodeputado eleito pelo CDS numa lista conjunta com o PSD em 2014.

CDU

Comunistas e verdes também ainda não decidiram a composição das listas às eleições de maio. Todavia, não causará surpresa alguma se João Ferreira, vereador em Lisboa, segundo da lista da CDU ao Parlamento Europeu em 2009 e primeiro em 2014, volte a ser o cabeça-de-lista.

BE

Faz questão de dizer que a decisão não depende de si, mas em declarações ao Observador Marisa Matias não escondeu o interesse em voltar a candidatar-se. A única eurodeputada do Bloco de Esquerda, e candidata à Presidência da República, em 2016, estreou-se em Bruxelas em 2009, numa lista liderada por Miguel Portas.

Os outros

Em teoria, os eleitores estão mais abertos a votar de forma mais livre do que nas legislativas, como se comprova pela eleição de Marinho e Pinto e outro deputado pelo MPT, em 2014. Às candidaturas de partidos já existentes, é de esperar a de novos, como o Aliança, o Democracia 21, o Volt e o Livre enquanto partido do movimento Primavera Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.