Da saúde ao cinema. As apostas das empresas de energia para fidelizar clientes

Planos de saúde, descontos nos cinemas, restaurantes e combustíveis e muitos outros serviços. É a nova estratégia de fidelização das empresas fornecedoras de eletricidade e gás para travar a fuga de clientes.

A EDP Comercial lançou ontem uma nova estratégia que passa por vender aos seus clientes planos anuais com vários serviços combinados e valores fixos mensais pagos na fatura da luz. Em troca oferecem descontos no preço da eletricidade, em cinemas, restaurantes, mobilidade elétrica partilhada e até consultas médicas. O objetivo é atrair e fidelizar os clientes.

A ideia é simples: se contratarem apenas eletricidade ou gás, os consumidores podem mudar de fornecedor quando quiserem, mas ao optarem por serviços adicionais têm de assinar um contrato de 12 meses, uma fidelização que acaba por estender-se também à energia.

Há um ano, Vera Pinto Pereira, CEO da EDP Comercial, anunciou que o objetivo da empresa era aumentar as receitas através da duplicação do número de clientes que têm serviços adicionais contratados, entre 2019 e 2021, passando dos atuais 18% para 40%. Ou seja, 1,6 milhões de um total de quatro milhões de clientes.

Exclusivos para clientes EDP Comercial que já tenham um contrato de fornecimento de energia, os novos Packs Living estão divididos em três categorias: Easy (4,90 euros mês durante um ano), Smart (7,90 euros/mês) ou Full (12,90 euros/mês).

"O plano de saúde EDP já foi escolhido por mais de 63 mil pessoas", revela a empresa

Consoante o plano escolhido, o cliente pode ter acesso a descontos na fatura de energia (entre 4% e 8%), eletricidade renovável, assistência técnica (serviço Funciona), quatro euros de desconto na fatura da EDP Comercial por cada 40 litros de combustível acumulados mensalmente na BP; descontos no Cineplace e Cinema City; duplicação do prazo de duração da subscrição do Zomato Gold, serviço de refeições grátis em locais aderentes; e cinco euros de desconto por mês na EMOV, empresa de car sharing. A versão Full inclui descontos até 70% em consultas médicas. "O plano de saúde EDP já foi escolhido por mais de 63 mil pessoas", revela a empresa.

A Galp anunciou também ontem um novo plano de descontos cruzados com o cartão Continente: 10% nas faturas de eletricidade e gás natural e 14 cêntimos por litro em combustível. A empresa fez as contas e garante que, "para um consumo médio de combustível de uma família portuguesa (768 litros/ano), a componente de desconto sobre combustível (€0,14/litro) ascende a uma poupança potencial de 107,5 euros por ano, à qual acresce ainda a poupança de 10% sobre a fatura de eletricidade e/ou gás natural.

E a espanhola Iberdrola não irá ficar atrás e irá brevemente apresentar a sua nova estratégia comercial, sabe o DN/Dinheiro Vivo.

Em 2018, a Endesa foi a primeira a lançar os novos tarifários pré-pagos Power Packs: pacotes de luz e gás com um valor mensal fixo e um limite anual de kWh consumidos. Na prática são tarifários com três perfis de utilização (S, M e L), que dependem do consumo (entre 1000 e 5000 kWh/ano) e da potência contratada (entre 3,45 e 6,60 kVA). Milhares de clientes já aderiram e os valores mensais oscilam entre os 18,90 e os 80,90 euros na eletricidade, e entre os 8,50 e os 29,90 euros no gás. No entanto, estes valores não incluem impostos, taxas e contribuições. Mas a Deco avisou que "a diferença entre o valor anunciado e o valor a suportar em cada fatura mensal varia entre os 7,50 e os 23 euros".

Agora a imaginação parece ser o limite para as empresas de energia evitarem o turismo energético, ou seja, a cada vez mais frequente troca de comercializadores.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.