Adeus, futuro: "Letra morta"

A minha irmã teve de fazer uma operação complicada à perna - que implicou uma demorada convalescença - a meio da quarta classe; e, para que não perdesse a matéria e pudesse ir a exame no final do ano, a minha mãe arranjou uma professora de uma escola próxima que ia lá a casa dar-lhe aulas três tardes por semana.

Como eu então só tinha 4 anos e era incrivelmente irrequieta (graças a Deus que nesse tempo ninguém falava de síndrome de hiperactividade e me arruinou a infância com medicamentos), a maneira que a professora encontrou de me manter sossegada foi oferecer-me um caderno pautado, no qual eu copiava de cima a baixo letrinhas do alfabeto. Foi remédio santo: não só nunca mais voltei a interromper as lições da minha irmã, como adquiri, mesmo antes de entrar na escola primária, uma letra bastante decente. O único senão foi que, com o passar dos anos, essa letra se tornou demasiado identificável; e, quando a seráfica professora de Inglês apanhou a voar na aula um bilhetinho que chamava a atenção para o seu bigode também já demasiado identificável, não teve de se esforçar muito para perceber quem o escrevera...
Presumo que hoje já ninguém se interesse por grafologia, incluindo na área da investigação criminal: é difícil encontrar pessoas que ainda escrevam à mão, e até os cheques são muitas vezes preenchidos e assinados com carimbos. Valham-nos Eduardo Lourenço, Mário Cláudio e Miguel Real, sem contar com os caderninhos de apontamentos de Francisco José Viegas, pois daqui a uns anos não restarão manuscritos de escritores, e a descoberta de ficheiros informáticos, cuja autenticidade será complicada de provar, nunca terá o mesmo encanto.

Mas nas escolas portuguesas, entre colegas, trocar-se-ão ainda perigosíssimos bilhetes que conduzam a infalíveis ataques de riso como no meu tempo? Fiz a pergunta a um professor, que me garantiu que só se for por sms... E, perante a minha surpresa, pois calculava os telemóveis fora do alcance dos alunos durante os tempos lectivos, ele riu-se da minha ingenuidade e apressou-se a explicar: na sua escola, os alunos devem efectivamente colocar os telemóveis numa caixa de madeira com divisórias quando entram na sala; mas um professor mais curioso sobre as preferências tecnológicas da rapaziada aproveitou um dia de teste para observar a dita caixa com atenção. E mais valia não o ter feito: nas divisórias, armados em telemóveis, estavam quase só comandos de televisão. Adeus, futuro.

Editora e escritora, escreve de acordo com a antiga ortografia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.