Premium Guia prático para as eleições do Sporting

Urnas abrem às 09.00 e fecham às 19.00 deste sábado. O ato eleitoral é vigiado pela Universidade do Minho, entidade que assessora e aconselha a mesa da assembleia geral do Sporting.

Menos de um ano depois, os sportinguistas são neste sábado de novo chamados a exercer o direito de voto numa assembleia eleitoral, que elegerá o sucessor de Bruno de Carvalho e 43.º presidente da história do clube. São esperados mais de dez mil votantes, no ato eleitoral mais concorrido de sempre... no que a candidatos diz respeito (seis).

Luís Amaral, da Universidade do Minho (UM), entidade que assessora e aconselha a mesa da assembleia geral do Sporting, explicou ao DN quem e como pode exercer o direito de voto e qual a previsão para conhecer o eleito.

Quem vai a votos?

São seis os candidatos. O gestor que foi guarda-redes de futsal (João Benedito - Lista A), o economista-banqueiro sobrinho-neto do fundador (José Maria Ricciardi - Lista B), o médico da equipa que já foi militar (Frederico Varandas - Lista D), o advogado outsider (Rui Jorge Rego - Lista E), o advogado que já foi líder da Mesa da Assembleia Geral (Dias Ferreira - Lista F) e o empresário que já foi presidente do Tourizense (Tavares Pereira - Lista G).

Quem ficou pelo caminho?

Pedro Madeira Rodrigues abdicou de ir a votos nesta semana, dando o seu apoio a José Maria Ricciardi. Bruno de Carvalho e Carlos Vieira foram impedidos de ir a votos, depois de suspensos de sócios pela comissão de fiscalização.

Como ficam os votos em Madeira Rodrigues?

Os boletins de voto já tinham sido impressos e enviados para os sócios fora de Lisboa, que votam por correspondência, antes da desistência de Pedro Madeira Rodrigues, por isso os boletins mantêm-se iguais. Mas os votos na Lista C serão considerados nulos.

Quem pode votar?

Sócios com mais de 18 anos, com pelo menos um ano de sócio e quotas em dia (pagas até dia 20 de julho).

A que horas abrem as urnas?

As urnas abrem às 09.00 de sábado e fecham às 19.00. O ato eleitoral processa-se no Hall VIP do Estádio José Alvalade e é vigiado pela Universidade do Minho, entidade que assessora e aconselha a mesa da assembleia geral do Sporting. Todos os sócios que registem entrada no local, ou que se encontrem em espera no local de entrada, até às 19.00, podem exercer o seu direito de voto.

Que documentos são necessários para votar?

O sócio eleitor deverá apresentar, obrigatória e cumulativamente, os seguintes elementos: cartão de sócio, com o número atualizado (após a renumeração estatutária de 2015) e/ou cartão de Gamebox renovada para a presente época desportiva 2018-2019; documento de identificação: Bilhete de Identidade, Cartão de Cidadão ou Passaporte. Sem apresentar estes documentos não poderá exercer o seu direito de voto.

Um só boletim

Neste ano só há um boletim de voto, já que a votação será para a eleição de todos os órgãos sociais em conjunto: mesa da assembleia geral; conselho diretivo; conselho fiscal e disciplinar. O conselho leonino foi extinto e não vai a votos.

Como se processa o voto?

O sócio quando chega é credenciado, recebe um papel com um código de barras e o número de votos a que tem direito, de 1 a 21. Entretanto passa para outra sala, onde um funcionário lê o código de barras e o encaminha para a cabine de voto, onde o computador contabiliza e imprime o voto, como mandam os estatutos do clube.

O voto eletrónico

O voto é eletrónico, mas o sistema obriga na mesma à impressão do voto em papel, que o sócio dobra em quatro e coloca dentro de uma urna. Se houver recontagem essas urnas são abertas e os votos serão contados manualmente. Estão aptos a votar 51 000 sócios dos 170 mil com cartão emitido.

O ato eleitoral

O ato eleitoral é fechado com uma assinatura digital do presidente da mesa da AG. Depois, com uma password a que só ele, Marta Soares, tem acesso, ativa a contagem, que pode demorar uns segundos ou minutos, conforme a afluência. Depois há que contar os votos por correspondência. Foram enviados 15 mil boletins. Um sócio pode votar por correspondência e presencialmente, prevalecendo nesse caso o voto presencial, sendo o outro anulado.

Voto por correspondência

Os votos por correspondência, cumprindo a regra definida estatutariamente, foram enviados para todos os sócios com capacidade eleitoral ativa que residam fora da Área Metropolitana de Lisboa. Os 18 concelhos que integram a Área Metropolitana de Lisboa são: Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira. Todos os outros receberam boletim pelo correio.

Contagem de votos por correspondência

Os sócios tiveram de enviar os votos por correspondência até às 20.00 do dia 7 de setembro (sexta-feira), e, desde que válidos, serão considerados. O processo de contagem vai começar às 10.00 de dia 8. Depois, quando fecharem as urnas, faz-se o cruzamento das listas para retirar os duplicados e fazer a contagem. Por isso, se tudo correr, o nome do novo presidente pode ser conhecido por volta das 23.00. Mas as últimas experiências apontam paras as 02.00/03.00 da madrugada. Neste ano, com a desistência de Pedro Madeira Rodrigues, quem votou no candidato por correspondência pode querer ir reverter o voto presencialmente, visto que quem vota por correspondência tem direito de voto presencial e este prevalece em detrimento do voto expresso por correspondência.

O voto pode ser adulterado?

Não. Só num cenário de pirataria, o que é crime.

A recontagem

Não é habitual desde que existe voto eletrónico, mas pode acontecer, por isso se imprime o voto de cada sócio para a eventualidade de haver uma recontagem, que é sempre feita de forma manual.

Consulte aqui as listas completas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.