Tanta é a análise e pouca a gente

Um entrevistador comum, Jimmy Fallon, falava com um rapper normal, Ice Cube. À partida não me pareceu estar por ali nenhuma genialidade literária. Falou-se de basquetebol e o entrevistador perguntou se o outro ia aos jogos quando era miúdo. Por acaso ia, apesar dos bilhetes caros, porque um amigo era porteiro no pavilhão dos Lakers, em Los Angeles. E nunca se cruzou com nenhuma glória, Ice Cube? Sim, uma vez estivera mesmo ao lado do Magic Johnson e mandou-lhe um grito, "como vai a vida?", para esconder o seu deslumbramento. Apertaram as mãos, o ídolo e o miúdo, e este contava agora: "A mão dele era suave como o rabo de um bebé. Aquele tipo nunca tinha trabalhado, meu..." Palavras de rapper, filho de um operário de mãos calosas cujas carícias aleijavam. Ámen.

É por isso que oiço religiosamente os futebolistas brasileiros que chegam e posam com camisola nova. Quanto mais esquisito for o nome, Edivanderley e assim, mais o escuto para receber as palavras cultas. É um lavar de ouvidos uma língua bem falada, quero dizer, expressando substantivos, gentes e acontecimentos. A análise é fraca, admito, mas disso tenho cá. Sei sempre como o BES não pode falir, como era inevitável que o BES falisse e como se organizam assembleias gerais no Sporting. Faltam-me é relatos substantivos sobre como amantes de um clube batem nos seus ídolos.

Esta semana, por exemplo, sei tudo sobre as múltiplas crises políticas a que a votação do Orçamento do Estado irá levar e, lá para novembro, saberei do tudo na mesma, depois da votação do Orçamento do Estado. Já sobre as consequências do tal OE na prótese da anca da minha prima Edite, nem esta semana nem pelo outono. Se fosse hoje (e se fôssemos como hoje), levávamos nas caravelas uma ou outra análise de que tanto gostamos, apesar de por isso termos de deixar por cá as velas latinas ou as redondas. Bitaitar é preciso, como dizemos nós, os descendentes do infante D. Henrique. Que, por falar nisso, não deixou filhos. Ah, agora que me lembram, entendo...

"Tirando o Manuel José, que além da cara de homem antigo é homem como antigamente, quase todos desviaram-se dos factos - basicamente isto: que grande sacana"

Há dias, os portugueses, quase todos nós, tivemos um facto pela frente. Daqueles que se veem bem, como os que se passam frente ao nosso sofá. Como já disse, ouvirmo-nos, sobretudo no sofá, não é avisado, mas para ver é bom. Estávamos sentadinhos, interessados e, pelo que se tratava, até legitimados para sermos egoístas. Então, um dos nossos, rapaz modesto e trabalhador, Moutinho de seu nome, entrou em campo para nos defender. Estava compenetradíssimo e ansioso por nos servir. Foi aí que o chefe do inimigo (tratando-se de assunto ligeiro permito-me algum exagero) - e não só chefe do inimigo como também traidor (continuo exagerando) - se acercou, dizia eu, do nosso Moutinho, manietou-o (enfim, pôs-lhe a mão no ombro) e falou-lhe manhosamente ao ouvido. Tudo factos à frente dos nossos olhos.

Vou tentar traduzir. O vosso filho está no altar para se casar, a noiva é um encanto, eles amam-se, e o padre está prestes a dizer as palavras que os vão juntar. Então, salta da assistência um vizinho, notório canalha, pai de um gabiru lá do bairro, que põe as manápulas nos ombros do jovem casal e começa a sussurrar-lhes aos ouvidos, com claro propósito de os desestabilizar. Que fez a maioria dos comentadores lusos, com raras exceções, sobre esta intenção publicamente malévola contra nós? Contra nós, sem mas nem meio mas?

"Bitaitar é preciso, como dizemos nós, os descendentes do infante D. Henrique. Que, por falar nisso, não deixou filhos. Ah, agora que me lembram, entendo... "

Tirando o Manuel José, que além da cara de homem antigo é homem como antigamente, quase todos desviaram-se dos factos - basicamente isto: que grande sacana - e enredaram-se em análises: "Queiroz tem um passado, fez tanto pelo futebol português, a geração de ouro, etc. e tal." Estava o tipo ainda com a pútrida pistola fumegante e nós a debater os lindos olhos dele no dia da comunhão a que só os seus vizinhos de Nampula assistiram, se é que alguém foi convidado.

O que eu quero dizer: na semana em que desmoronaram as minhas ilusões - pequenas, afinal eram só por futebol - e se confirmou a nossa infeliz tendência pelo falar informe, recebi mais um livro de Nelson Rodrigues (Brasil em Campo, acabadinho de editar pela Tinta da China). Mais uma recolha de crónicas, estas quase todas sobre futebol, na esteira do celebrado À Sombra das Chuteiras Imortais, do grande Nelson Rodrigues (falecido em 1980). Como sempre, ele volta a falar-nos com uma fome de anteontem pela vida.

De um Brasil-Chile, escreve Nelson, no dia seguinte, no jornal O Globo: "Garrincha foi a maior figura do jogo, a maior maior figura da Copa do Mundo e, vamos admitir a verdade última e exasperada: a maior figura do futebol brasileiro desde Pedro Álvares Cabral." O jogo foi há 56 anos mas, por cá, não há meio de sabermos ver os factos com esta objetividade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.