Pode alguém com medo proteger-nos do que aí vem?

Só podemos ter um Estado social à escandinava se adotarmos a liberdade económica que os escandinavos há muito adotaram para o financiar; no fundo, como aqui escrevi na semana passada, se conseguirmos executar um programa que combine liberdade económica com um Estado justo e capaz de apoiar os mais vulneráveis. Ora, esse programa é algo que a esquerda portuguesa, do PS ao Bloco, não está em condições de apresentar.

Não há verdadeira liberdade económica sem confiança nas pessoas e nas empresas, sem a profunda convicção de que o crescimento vem da iniciativa privada, do trabalho e mérito das pessoas, vem das empresas que se querem lucrativas e com possibilidades de crescimento, vem da vontade dos indivíduos de subirem na vida e vencerem as condições de nascimento, vem da possibilidade de cada um poder desafiar as empresas e negócios existentes. Claro que dito assim poucos discordarão. Nenhum partido negará, em teoria, a importância desses elementos para o progresso de um país. Sucede que na prática, como se tem visto, as coisas são bem distintas.

Quando a esquerda aposta no consumo privado e público é porque desconfia da capacidade de as empresas contribuírem decisivamente, com investimento e exportações, para o crescimento económico. Quando a esquerda não baixa o IRC porque não quer privilegiar empresas sobre pessoas é porque olha para o setor privado como agente explorador que procura o imoral lucro. Quando a esquerda recusa o conceito de liberdade de escolha dizendo que isso é um ataque aos serviços públicos é porque não confia na capacidade de cada um poder decidir o que é melhor para si para subir na vida, para dar melhores condições de vida à sua família. Quando a esquerda hesita perante novas formas de economia com medo das suas consequências é porque não vê vantagem no dinamismo da concorrência. Nada disto é teórico e tudo isto tem consequências no desempenho da nossa economia.

"Quando a esquerda recusa o conceito de liberdade de escolha dizendo que isso é um ataque aos serviços públicos é porque não confia na capacidade de cada um poder decidir o que é melhor para si para subir na vida"

Não está em questão que a esquerda não procure o crescimento. O que está em causa é que o programa de desenvolvimento que defende se revela incapaz, pelas margens de crescimento que demonstra, de dar robustez ao modelo social que a maioria da população quer manter. Pelo contrário, e para agravar, esse programa denota não só falta de ambição como incapacidade de nos preparar para os desafios e riscos e oportunidades da economia global.

A falta de ambição é visível, desde logo, na forma como a esquerda vem celebrando os baixos dados do crescimento, muito mais baixos do que os países com que competimos e do que os países com que nos queremos comparar. Que aluno, que empresa, que atleta, que cientista, progride a trabalhar para ficar na média? Nenhum. Querer ficar na média é estar sempre atrasado e por cá estamos sempre a comparar-nos com a média.

A incapacidade de nos preparar para os desafios e riscos e oportunidades da economia global é visível, desde logo, na recusa da esquerda em olhar para a legislação laboral, adaptando-a a novas profissões e novas formas de trabalho, ou na absoluta ausência de iniciativas enquadradoras da economia digital em Portugal. É como se houvesse medo, receio, do que aí vem, uma recusa em aceitar que o mundo global está a mudar.

Se queremos crescer para sustentar o modelo social que temos, temos de mudar de programa, temos de romper com a falta de ambição de quem só quer estar na média e com o medo com que a esquerda olha para o mundo que a rodeia, como quem não confia no país. Pode alguém com medo proteger-nos do que aí vem?

Advogado e vice-presidente do CDS

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.