Pode alguém com medo proteger-nos do que aí vem?

Só podemos ter um Estado social à escandinava se adotarmos a liberdade económica que os escandinavos há muito adotaram para o financiar; no fundo, como aqui escrevi na semana passada, se conseguirmos executar um programa que combine liberdade económica com um Estado justo e capaz de apoiar os mais vulneráveis. Ora, esse programa é algo que a esquerda portuguesa, do PS ao Bloco, não está em condições de apresentar.

Não há verdadeira liberdade económica sem confiança nas pessoas e nas empresas, sem a profunda convicção de que o crescimento vem da iniciativa privada, do trabalho e mérito das pessoas, vem das empresas que se querem lucrativas e com possibilidades de crescimento, vem da vontade dos indivíduos de subirem na vida e vencerem as condições de nascimento, vem da possibilidade de cada um poder desafiar as empresas e negócios existentes. Claro que dito assim poucos discordarão. Nenhum partido negará, em teoria, a importância desses elementos para o progresso de um país. Sucede que na prática, como se tem visto, as coisas são bem distintas.

Quando a esquerda aposta no consumo privado e público é porque desconfia da capacidade de as empresas contribuírem decisivamente, com investimento e exportações, para o crescimento económico. Quando a esquerda não baixa o IRC porque não quer privilegiar empresas sobre pessoas é porque olha para o setor privado como agente explorador que procura o imoral lucro. Quando a esquerda recusa o conceito de liberdade de escolha dizendo que isso é um ataque aos serviços públicos é porque não confia na capacidade de cada um poder decidir o que é melhor para si para subir na vida, para dar melhores condições de vida à sua família. Quando a esquerda hesita perante novas formas de economia com medo das suas consequências é porque não vê vantagem no dinamismo da concorrência. Nada disto é teórico e tudo isto tem consequências no desempenho da nossa economia.

"Quando a esquerda recusa o conceito de liberdade de escolha dizendo que isso é um ataque aos serviços públicos é porque não confia na capacidade de cada um poder decidir o que é melhor para si para subir na vida"

Não está em questão que a esquerda não procure o crescimento. O que está em causa é que o programa de desenvolvimento que defende se revela incapaz, pelas margens de crescimento que demonstra, de dar robustez ao modelo social que a maioria da população quer manter. Pelo contrário, e para agravar, esse programa denota não só falta de ambição como incapacidade de nos preparar para os desafios e riscos e oportunidades da economia global.

A falta de ambição é visível, desde logo, na forma como a esquerda vem celebrando os baixos dados do crescimento, muito mais baixos do que os países com que competimos e do que os países com que nos queremos comparar. Que aluno, que empresa, que atleta, que cientista, progride a trabalhar para ficar na média? Nenhum. Querer ficar na média é estar sempre atrasado e por cá estamos sempre a comparar-nos com a média.

A incapacidade de nos preparar para os desafios e riscos e oportunidades da economia global é visível, desde logo, na recusa da esquerda em olhar para a legislação laboral, adaptando-a a novas profissões e novas formas de trabalho, ou na absoluta ausência de iniciativas enquadradoras da economia digital em Portugal. É como se houvesse medo, receio, do que aí vem, uma recusa em aceitar que o mundo global está a mudar.

Se queremos crescer para sustentar o modelo social que temos, temos de mudar de programa, temos de romper com a falta de ambição de quem só quer estar na média e com o medo com que a esquerda olha para o mundo que a rodeia, como quem não confia no país. Pode alguém com medo proteger-nos do que aí vem?

Advogado e vice-presidente do CDS

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.