Estado da Nação. Ritmo de crescimento abranda e investimento ainda não recuperou

Em 2018, o PIB deve crescer 2,3%. No último ano tinha registado o maior crescimento do século ao chegar aos 2,7%.

Portugal tem mais carros novos, o preço das casas e as rendas continuam a subir, o crédito a particulares voltou a aumentar, a taxa de desemprego desceu, mas o emprego precário mantém-se. A economia cresce, mas o ritmo começa a abrandar e o investimento ainda está abaixo dos valores de antes da crise.

Em vésperas do debate do Estado da Nação, no Parlamento, o DN/Dinheiro Vivo selecionou um conjunto de indicadores que tentam capturar um retrato do país nos últimos quatro anos. O período inclui o último ano e meio do mandato do anterior governo PSD-CDS e os primeiros três anos do executivo de António Costa.

No final de junho, o ministro das Finanças, Mário Centeno, assumiu que ainda não existe uma fórmula para o "crescimento económico perpétuo" e bem que po de aplicar esta máxima à economia portuguesa. O produto in terno bruto (PIB), que mede a riqueza que o país produz num ano, registou em 2017 o maior crescimento desde o início do século: 2,7%. Mas este ritmo de crescimento vai abrandar e a previsão para 2018 é de 2,3%. Um outro indicador que mede o pulso à economia é o investimento, que tem recuperado. A formação bruta de capital fixo (FBCF) em percentagem do PIB apresenta uma trajetória de subida, apesar de em 2016 ter "escorregado" para, um ano depois, voltar a recuperar. Mesmo assim, longe dos valores antes da crise, em que a FBCF correspondia a mais de 22% do PIB.

Quando António Costa ainda estava na oposição e em ambiente de pré-campanha eleitoral para as legislativas de 2015, elegeu os "sete pecados capitais" do governo de Pedro Passos Coelho. Entre eles estava o combate ao desemprego e à precariedade laboral. Se no primeiro caso o atual executivo pode festejar, já em relação aos contratos precários nem tanto. O nível de precariedade medido pelos contratos a termo, recibos verdes e avenças ronda os 22% do total do emprego. É o terceiro valor mais elevado na União Europeia.

Défice e dívida. São dois indicadores sempre citados para avaliar a "saúde" das contas públicas. Desde 2014 que o saldo tem vindo a melhorar e não fosse a capitalização da Caixa Geral de Depósitos, no ano passado o valor seria de 0,9% do PIB. Bruxelas acabou por ganhar o braço-de-ferro com Mário Centeno empurrando o défice para 3%. Quanto ao valor da dívida, depois de um ligeiro aumento em 2016, voltou a descer no ano passado e o governo promete chegar a dezembro com um valor a rondar os 122% do PIB.

[Texto publicado na edição impressa de dia 8 de Julho]

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."