Investir em imobiliário. Plataformas de crowdfunding ganham peso no setor

Das cinco plataformas de financiamento colaborativo registadas pela CMVM, duas são para o setor imobiliário. E há mais duas a aguardar pela autorização do regulador.

São cinco as plataformas de crowdfunding registadas na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Duas delas visam financiar projetos do setor imobiliário e há já mais duas em análise para também serem registadas.

A Raize foi a primeira a obter autorização do regulador dos mercados, em maio de 2018. Serve como intermediário de empréstimos entre investidores e empresas. A ClicInvest também atua na área do financiamento a empresas. Já a GoParity apoia projetos na área de sustentabilidade e eficiência energética.

Para financiar projetos imobiliários, estão registadas, para já, a Izilend e a Querido Investi. Ainda em processo de obtenção do registo junto da CMVM está a espanhola Housers e a portuguesa Seedimo.

Desde fevereiro de 2018 que as plataformas de financiamento colaborativo que envolvam empréstimos ou capital têm de se registar na CMVM. Estão excluídas as que funcionam por donativo, como a PPL; e a plataforma de crowdfunding do Novo Banco.

A crescer

Em Portugal, a PPL é uma plataforma que tornou mais conhecido o setor de financiamento colaborativo por ter sido a origem de fundos para a greve dos enfermeiros. O volume alcançado superou os 800 mil euros e gerou polémica e dúvidas sobre quem financiou a paralisação daqueles profissionais.

O mercado europeu de financiamento alternativo vale mais de dez mil milhões de euros, segundo um estudo da Cambridge Centre for Alternative Finance, relativo a dados de 2017. Nesse ano, o setor cresceu 36%, registando-se 597 plataformas em toda a Europa. Em Portugal, o financiamento alternativo através da internet duplicou, totalizando já nove milhões de euros nesse ano.

Estes dados estão ultrapassados devido ao aparecimento de mais plataformas de financiamento alternativo por toda a Europa. Em Portugal, só a Raize tem disponíveis 50 milhões de euros em 2019 para financiar pequenas e médias empresas.

"A área de crowdfunding tem muito potencial. Está a ser muito utilizada nos Estados Unidos, no Reino Unido. Em Portugal, ainda pouco", disse Luís Miguel Vieira, administrador executivo da Associação Fintech e InsurTech Portugal (AFIP).

Destacou o caso do setor imobiliário. "Em Espanha, há mais de cem empresas de crowdfunding imobiliário. Em Portugal, há muito poucas. É estranho, porque é um setor em explosão no país."

Mais plataformas

Se a Housers e a Seedimo obtiverem o registo na CMVM, o imobiliário passa a representar mais de metade das plataformas autorizadas pelo regulador. Uma das plataformas que já estão registadas é a Querido Investi numa Casa!, que permite investimentos a partir dos 50 euros. A empresa angaria e gere financiamento colaborativo para a realização e gestão de investimentos imobiliários. A outra é a Izilend, plataforma de crowdfunding imobiliário de curto prazo. A empresa é detida pela FS Capital Partners e pela equipa de gestão. A plataforma também já entrou em Espanha.

A Housers aguarda o OK da CMVM. Quanto à Seedimo, fundada em 2018, "já submeteu o pedido de registo à CMVM e encontra-se a aguardar a respetiva autorização para o início do exercício da atividade", garantiu Fernando Belezas, cofundador da plataforma.

No financiamento de projetos imobiliários, existia a Portugal Crowd, que está sem atividade, tal como a Mutuall, que se "associou à Micre, está em testes, e em fase de credenciação", segundo fonte oficial desta plataforma.

O investimento em campanhas de crowdfunding até cinco milhões de euros está aberto a empresas ou investidores particulares com rendimento anual igual ou superior a 70 mil euros. Os restantes investidores não poderão gastar mais do que três mil euros por oferta ou dez mil euros por um período de 12 meses. Cada campanha de crowdfunding através de capital ou de empréstimo não poderá angariar mais de um milhão de euros.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.