Aconteceu em 1967 - A Guerra dos Seis Dias vista a meio do seu desfecho

Ao terceiro dia de guerra, o poder militar de Israel dava já indicação de que era mais forte do que o dos vizinhos árabes, como dava conta a edição do DN de 7 de junho de 1967.

Em 1967, o Diário de Notícias titulava em primeira página: "A dois passos do canal de Suez. Os próprios israelitas surpreendidos perante a debandada árabe em todas as frentes". Corria o terceiro dia daquela que ficou conhecida como a Guerra dos Seis Dias, opondo Israel e os vizinhos árabes de Egito, Jordânia e Síria. Terminaria a 10 de junho com a vitória dos israelitas.

A importância do acontecimento está bem patente no espaço que o DN lhe deu na sua primeira página. Os egípcios justificavam o insucesso militar com a "intervenção maciça dos Estados Unidos", enquanto o ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel classificava como o "dia mais belo".

O cessar-fogo já está à vista com os israelitas a declararem que o aceitavam caso "os outros fizerem o mesmo"

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.