Premium Rafa Silva: os 16 milhões, o apagão e as razões para o despertar nesta época

Depois de duas temporadas em que não justificou o investimento feito pelo Benfica, o extremo é atualmente o melhor marcador da equipa e está a quatro golos de igualar o seu melhor registo numa época. Os seus ex-treinadores explicam as razões deste grande momento de forma.

Rafa Silva está a atravessar o melhor momento da sua carreira de futebolista profissional, começando agora a justificar os 16,4 milhões de euros que em 2016 o Benfica pagou ao Sp. Braga pela sua contratação, que lhe vale o estatuto de jogador com a transferência mais avultada de sempre entre clubes portugueses. Os oito golos que já leva em 19 partidas de águia ao peito fazem do extremo uma peça cada vez mais indispensável para o treinador Rui Vitória.

Henrique Nunes, treinador que lançou o extremo no futebol profissional em 2012-13, no Feirense, acredita que Rafa "foi prejudicado pela ascensão muito rápida que teve", algo que de acordo com o técnico pode explicar a demora na sua afirmação num clube como o Benfica. "Deixou muito cedo o Feirense para ir para o Sp. Braga, um clube já com uma exigência muito alta, e pelo meio foi ao Mundial do Brasil quando se calhar ainda não estava preparado para isso. Digamos que teve uma notoriedade extemporânea", começou por dizer o atual técnico do Recreio de Águeda, convicto de que o extremo "não teve a oportunidade de crescer continuadamente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.